Justiça permite mãe transformar o filho em menina

Pai perde luta na justiça do filho não ser transformado em menina

Justiça permite mãe transformar o filho em menina
Justiça permite mãe transformar o filho em menina (Foto: Reprodução/Ibl)

O americano Jeffrey Younger, perde sua luta na justiça de proteger seu filho de sete anos em não ser transformado em menina pela mãe Anne Georgulas, após decisão do júri no tribunal do Texas (EUA), no último dia 17, de outubro.

O pai Younger, perdeu a luta para impedir o plano de sua ex-esposa de iniciar a castração química por meio de uma “transição” de gênero do filho de 7 anos, James, para menina. Já o pai insiste que, o filho é perfeitamente feliz, e sente bem em se vestir de menino.

Com um consenso de 11 dos 12 jurados, o júri de Dallas, Texas, decidiu não conceder a Jeffrey Younger, a guarda de seus dois filhos gêmeos, informou o LifeSiteNews.

Consequentemente, a mãe do menino James, Dra. Anne Georgulas, uma pediatra, tem total autoridade para continuar a “fazer a transição” de James, que está sendo renomeado como “Luna”, apesar de suas objeções religiosas e morais, o pai também será forçado a dar uma aula sobre transgênero, disse a agência de notícias.

A juíza Kim Cooks deve ler sua decisão sobre posse, pensão alimentícia e outras questões na quarta-feira, 23 de outubro.

A batalha entre Younger e Dr. Georgulas começou no ano passado, quando a mãe de James ameaçou Younger com uma acusação de abuso infantil, pois ele não considerava o filho um filho trans. Os dois compareceram ao tribunal na semana passada, brigando pela capacidade de custódia e tomada de decisão de James e seu irmão gêmeo, Jude.

Younger argumentou que sua ex-esposa está “fazendo a transição” de James contra a vontade do menino, enquanto a mãe tentava rescindir os direitos do pai Younger, porque James se comportou como menino quando estava com seu pai.

Ela também queria que Younger pagasse pelo aconselhamento de seu filho com um terapeuta que afirmasse sua identidade transgênero e sua necessidade de tratamentos hormonais transgêneros, que podem começar aos 8 anos.

Na semana passada, os argumentos giraram em torno do diagnóstico de James de “disforia” de gênero, um distúrbio psicológico caracterizado pela afirmação “persistente, consistente e insistente” de uma criança de “suas declarações e comportamentos entre gêneros”.

O tribunal proibiu Younger de vestir James como menino ou de compartilhar ensinamentos científicos baseados em fé ou biologicamente sobre sexualidade, apesar do fato de que familiares e amigos que observaram James relataram que o garoto age e se comporta como um garoto enquanto estava com seu pai. por sua própria escolha.

Os prontuários médicos recomendando James devem iniciar o processo de preparação para os bloqueadores da puberdade, e depoimentos de especialistas sobre os riscos e supostos benefícios dos bloqueadores da puberdade e dos hormônios sexuais.

No entanto, Younger está preocupado com a vida futura de seu filho. A identificação de transgêneros pode resultar em problemas psicológicos, menor tempo de vida e mais chances de suicídio.

Os manifestantes do Texas na sexta-feira, 20 de outubro, pediram aos legisladores uma legislação que tornasse ilegal para menores de 18 anos iniciar transição médica. Crianças com menos de 18 anos não conseguem entender completamente as consequências de suas decisões ao longo da vida e os pais não devem tomar essa decisão por seus filhos, argumentaram.

Um site SaveJames.com foi criado para conscientizar o público sobre a mudança de sexo no abuso infantil. De acordo com o LifeSiteNews, os gêmeos foram criados através da fertilização in vitro usando um doador de óvulos, o que significa que James e Jude não são na verdade biologicamente relacionados à mãe, Dr. Georgulas.

Os usuários do Twitter usaram as hashtags #SaveJames em apoio ao pai James Younger.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui