Atacante do Flamengo Bruno Henrique conta seu testemunho de fé

Não conquistei nada ainda, mas se Deus quiser vai ser coroado com chave de ouro esse ano

Atacante do Flamengo Bruno Henrique conta seu testemunho de fé
Atacante do Flamengo Bruno Henrique conta seu testemunho de fé

O atual atacante do Flamengo o mineiro, Bruno Henrique, contou seu testemunho de fé na Igreja Batista no Recreio do Rio, ele falou como a fé em Deus o ajudou na trajetória de sua carreira no futebol.

O jogador Bruno Henrique, atualmente está vivendo momentos de glória no clube carioca, como parte de um elenco milionário do Flamengo, e com números que renderam a ele sua primeira convocação para a Seleção Brasileira.

Em um testemunho recente, o jogador contou aos fiéis da Igreja Batista do Recreio, na zona oeste do Rio de Janeiro, que seu começo de carreira foi turbulento, há sete anos, quando saiu da várzea direto para o futebol profissional.

Hoje, aos 28 anos, o jogador mineiro já passou por Cruzeiro, Uberlândia, Itumbiara, Goiás, Wolfsburg (Alemanha) e Santos, antes de alcançar o que considera o “auge” de sua carreira, no Flamengo.

De acordo com o portal Globo Esporte, Bruno Henrique tem 46 jogos em 2019, com 21 gols e 13 assistências. Seu sucesso, diz ele, é resultado da fé: “Sei da importância que é estar no caminho de Deus, minha família é toda da igreja.

Vou contar um testemunho do que aconteceu comigo em 2017, no Santos. Estava no auge, cotado para Seleção, para times grandes da Europa. E no primeiro jogo do Paulista me machuquei.

Tive uma lesão na vista que me deixou afastado por sete meses. Fiquei pensando: por que tinha acontecido isso comigo? A gente não deve justificar com Deus quando as coisas acontecem. Hoje entendi o por que”. Contou o jogador.

No culto chamado “Craques da Paz” organizado pelo ex-jogador e pastor Ricardo Pinudo, Bruno Henrique revelou que fizeram macumba contra sua vida no passado, mas esse tipo de ação ocultista não foi capaz de derrota-lo.

Bruno conta que por muito pouco não abandonou o sonho de se tornar jogador profissional em 2014. Porém, um convite de seu antigo treinador no Uberlândia e o incentivo da falecida avó, Dona Léa, renovou seu ânimo para buscar o sucesso atual.

E hoje eu posso contar que o melhor aconteceu na minha vida: ter sido chamado para a Seleção e jogando no melhor time do mundo. Não conquistei nada ainda, mas se Deus quiser vai ser coroado com chave de ouro esse ano”, concluiu.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui