Milagres ainda acontecem nos dias de hoje?

Mesmo sem ir à igreja, mais de 70% dos americanos acreditam que milagres acontecem

Milagres ainda acontecem nos dias de hoje?
Milagres nos dias de hoje, pessoa orando por um milagre.

A resposta é sim, os milagres acontem muito mais do que antes, a maior prova disso são os inumeros testemunhos de pessoas em disitintas partes no mundo, que vivenciaram ou tiveram contato com alguém que viveu um milagre.

Recentemente uma pesquisa nos (EUA), revelou que 79% dos americanos dizem acreditar em milagres. Mesmo entre aqueles que raramente ou nunca frequentam a igreja, 70% acreditam que milagres acontecem, disse o apologista, Jim Denison, ao Thechristianpost.

Quase todo mundo tem uma história pessoal que ele considera milagrosa, mas nossa cosmovisão científica torna difícil contar nossas histórias uns aos outros.

Nossa relutância diz menos sobre milagres do que sobre nós. Como CS Lewis observou, o homem que nega o nascer do sol não prejudica o sol – ele só se mostra tolo.

O que podemos aprender sobre nossa cultura a partir de suas visões do milagroso? E sobre nós mesmos?

No dicionário Aurélio, o significado de “milagre” é um acontecimento extraordinário, incomum ou formidável que não pode ser explicado pelas leis naturais.

Às vezes experimentamos um milagre de coincidência, onde eventos altamente improváveis, mas não impossíveis de acontecer, por exemplo; um amigo te chama inesperadamente, exatamente quando você mais precisava ouvir dele.

Outros milagres são uma violação real das leis físicas, por exemplo, um amigo liga para você em um telefone desconectado.

Ambos os tipos ocorreram com frequência no registro bíblico.

Moisés, Josué, Sansão, Samuel, Elias, Eliseu, Isaías, Pedro e Paulo, todos os experimentaram e iniciaram. E os milagres de Jesus foram cruciais para o seu ministério. Eles validaram sua messianidade ( Mateus 11: 4–5 ), mostraram que ele era de Deus ( João 5:36 ; 14:11 ) e tinham a intenção de levar à fé salvadora ( João 20: 30-31 ).

Contudo, os próprios milagres não podem convencer aqueles que os testemunham (cf. João 15:24 ; Lucas 16:31 ).

Em questão está nossa visão de mundo.

Como disse JS Mill em 1843: “Se não acreditamos em ações sobrenaturais, nenhum milagre pode nos provar sua existência”. Ou não vimos o que pensávamos que vimos, ou há outra explicação além do sobrenatural.

+ O que fazer quando o milagre de cura não acontece?

Muitos estudiosos assumiram posições tão céticas:

  • Benedict Spinoza (falecido em 1677) argumentou que é impossível que leis naturais sejam mudadas. Se um evento parece ser um milagre, isso é apenas porque ainda não encontramos a explicação natural.
  • Isaac Newton concordou que o tempo e o espaço têm um caráter fixo absoluto, de modo que os milagres, por definição, são impossíveis.
  • David Hume acrescentou que não podemos provar nenhuma causa e efeito, muito menos a causa dos chamados milagres. Ele acreditava que deveríamos testar todos os eventos relatados à luz da nossa experiência pessoal. Se você não experimentou o milagroso, não pode confiar no testemunho do outro quanto à sua veracidade.
  • Ernst Troelsch, o famoso historiador, levou a posição de Hume um passo adiante: nenhum escritor de história deveria incluir uma experiência relatada que não ocorre hoje. Se as pessoas já não andam no Mar da Galileia, Jesus também não.
  • Karl Marx acrescentou a convicção de que os milagres são desejos supernaturalistas e nada mais.

Você pode se surpreender ao descobrir que alguns cristãos são igualmente céticos em relação ao milagroso, embora por diferentes razões. Alguns acreditam que os milagres terminaram com a igreja primitiva. Outros sustentam que milagres não ocorrem mais, já que a necessidade deles em estabelecer revelação é agora passada.

A lógica dos milagres

Existem respostas para os céticos acima? Absolutamente.

A maioria dos críticos decide que o milagre é, por definição, impossível, embora eles não tenham razões empíricas ou racionais para fazê-lo. Muitos apontam para sua própria falta de experiência com milagres como uma razão para desmascarar a própria categoria.

Mas poderia um homem que vive num clima quente acreditar no gelo? Devemos confiar na experiência de uma pessoa que nega que tal experiência seja possível?

A ciência trabalha com probabilidade, não com prova lógica absoluta. Aqueles que buscam evidências incontestáveis ??para os milagres exigem um padrão que eles não poderiam cumprir com suas próprias verdades.

Por exemplo, quando os experimentadores medem a luz de uma maneira, eles determinam que ela viaja como ondas. Medido de outras formas, parece viajar como partículas. Ambos não podem ser verdadeiros, mas nenhum dos dois pode ser refutado ou provado. Niels Bohr chamou esse fenômeno de “princípio da complementaridade”. Aristóteles chamaria isso de contradição.

Newton via o universo como uma máquina incapaz de comportamento fora dos parâmetros das leis naturais. Depois de Einstein, essa era analítica da ciência chegou ao fim. Agora sabemos que observar ou medir algo é alterá-lo.

A previsibilidade é menos possível, e os pressupostos antissupernaturalistas são menos defensáveis. Até mesmo Einstein afirmou: “Penso na compreensibilidade do mundo como um milagre“.

Se Deus criou e projetou o universo, ele possui a liberdade de alterá-lo como deseja. Ele pode agir de acordo com as “leis” que discernimos dentro de suas operações, ou ele não pode. O que é um milagre para nós não é para Deus.

O laptop no qual escrevo estas palavras não obedece a nenhuma das leis em que operava a máquina de escrever manual do meu pai. Mas suas habilidades “miraculosas” são óbvias.

Conclusão

Como devemos julgar uma reivindicação ao milagre nos dias de hoje?

Primeiro, aceitamos a cosmovisão bíblica com sua insistência de que Deus criou tudo o que existe e está livre para agir dentro de sua criação como lhe agrada.

Segundo, determinamos que o evento em questão não pode ser explicado apenas com base em causas naturais.

Terceiro, testamos a confiabilidade das fontes alegando que um milagre ocorreu.

Em quarto lugar, usamos a teoria da probabilidade: dadas as evidências disponíveis, é mais provável, com base objetiva, que um milagre tenha ocorrido ou que não tenha ocorrido?

Aborde a fé, como um relacionamento pessoal. Todos os relacionamentos devem ser experimentados para serem “comprovados” e auto-validados.

Você não pode explicar o pôr do sol a uma pessoa cega. Ou a sua salvação para alguém que recuse a fé. Para qualquer um, tal é um milagre, clonclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui