Flordelis desabafa em rede social sobre a morte do marido

É uma dor, às vezes, insuportável.

Flordelis desabafa em rede social sobre a morte do marido
Flordelis desabafa em rede social sobre a morte do marido

Na manhã deste sábado (22), Flordelis, postou um desabafo em seu perfil da rede social do Instagram sobre a morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, e se quixou que ela, e os filhos, estão sendo condenados pela trágédia ocorrido na casa da família.

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado a tiros no último domingo (16), em Pendotiba, Niterói no (RJ), após o casal ter chegado em casa, por volta da 4hrs da manhã, de um evento que acontecia no ministério Flordelis.

Veja também:

Nessa manhã desse sábado, a viúva então se manifestou por meio da rede social Instagram, com uma mensagem chocante, e reclamou de calúnias e notícias confusa sobre o crime, que brotam sabe-se lá de onde, comfira o desabafo da deputada.

Leia na íntegra postagem:

Faz uma semana que perdi meu marido.

Quem conheceu a minha vida com ele imagina a falta que ele me faz e pode imaginar o quanto estou atordoada. Mas, sou forte. Deus me fortalece. Por isso, não perco a fé. Canto em silêncio uma das músicas que sempre me deu muita força: “Volta por Cima” ”Quem impedirá o agir de Deus?”.

Deus tem me dado forças. Vejo isso no olhar dos meus meninos e das minhas meninas, minhas filhas e meus filhos, frutos da minha uma dedicação férrea à vontade de fazê-los felizes.

A semana me passou a ideia de que o tempo parou. A dor é enorme, pela perda e pelas calúnias e notícias confusas que a cada minuto, cada minuto mesmo, brotam sabe-se lá de onde. Já falaram ter sido um crime passional, já disseram ser um crime por dinheiro, já incluíram a infidelidade.

Acusam meus meninos, mas eu tenho esperança dos acusadores estarem errados e quero muito confiar na Justiça.

É uma dor, às vezes, insuportável. O crime aconteceu na nossa casa e isso me faz reviver aquele momento trágico cada minuto em que estou presente.

A imprensa não me deixa em paz.

Na segunda-feira, serei ouvida pela polícia. O primeiro depoimento como manda a lei. Já fiz isso várias vezes. A primeira, poucas horas após o crime. Sem direito ao luto.

Na terça-feira, à tarde, falarei com a imprensa . Um calvário necessário, para ver se consigo aplacar as insinuações, as dúvidas que criam versões desencontradas. Quem sabe, conseguirei?

Peço as orações, mesmo daqueles que sem conhecer a história me condenam e condenam meus filhos. A todos os que acreditam em Deus, eu peço as orações para que se faça Justiça.

Amigo De Cristo Noticias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui