Cristão conta que foi queimado vivo três vezes pelo Estado Islâmico

Cristão conta que foi queimado vivo três vezes, pelo Estado Islâmico
Cristão conta que foi queimado vivo três vezes, pelo Estado Islâmico

A vida de um cristão no Iraque que foi queimado vivo por três vezes Estado Islâmico, será contada em um documentário produzido pelo missionário, Sean Feucht, fundador do projeto missionário Light A Candle.

O homem que foi queimado, é um cristão yazidi, que relatou sua história angustiante para o documentário de Sean Feucht e (Bethel Music), previsto para ser lançado este ano de 2019 nos Estados Unidos.

Feucht disse à Fox News, que os yazidis, realmente foram alvos do genocídio do Estado Islâmico, foram estuprados, espancados, executados, nem queriam aprisioná-los, eles só queriam matá-los, limpá-los do mapa.

Feucht conheceu o cristão yazidi, através de seu projeto Light A Candle, sem fins lucrativos, que vai para todas as partes do mundo, mas principalmente para o Iraque, onde o Estado Islâmico estava no auge de sua brutalidade. Viveu alguns dos piores sofrimentos do mundo.

O homem Yazidi diz que ele foi queimado vivo, depois que descobriram que ele era um seguidor de Cristo. Ele disse que seu corpo “não ardeu” uma vez quando foi preso e torturado pelos terroristas islâmicos radicais por dois meses.

“Ele falou comigo”, disse o homem referindo-se a Jesus em seus sonhos. Feucht disse a ele: “Jesus apareceu duas vezes para você em um sonho porque Ele ama você”.

O homem relata, que e os membros do ISIS o encharcaram em 20 galões de gasolina.Mas apesar de ter sido queimado vivo, ele disse que inexplicavelmente sobreviveu ileso. Ele creditou Jesus por sobreviver.

“E eles colocaram fogo em mim, mas eu não queimei”, disse ele.

A história do cristão iraquiano é um relato do próximo documentário “Hearts and Hands: Iraq”, que deve ser lançado ainda este ano. Uma prévia foi mostrada na conferência “Heaven Come” em Los Angeles.

Feucht diz, que procura mostrar a realidade dos cristãos perseguidos e ajudá-los em suas necessidades.

Seu grupo recentemente arrecadou mais de US $ 100.000 para distribuir alimentos, cobertores, colchões e outros materiais, além de oferecer aconselhamento sobre terapia de trauma e programas para crianças, ensinar música e orar com cristãos perseguidos na região onde o cristianismo floresceu, mas está quase extinto. de acordo com os líderes da fé.

+ Muçulmanos é condenado à morte por queimar casal cristão

“Eu sinto que somos realmente chamados para os lugares mais perseguidos, fechados, escuros e marginalizados”, disse ele.

Nos últimos 15 anos, o líder de adoração da Bethel Music, foi para a Coréia do Norte, Índia, Afeganistão … “alguns dos países mais fechados e lugares onde é ilegal ser cristão”,vimos e ouvimos histórias de incríveis milagres, nestes lugares, disse Feucht .

Feucht disse que é encorajado pelo crescimento da igreja no Iraque, China e Índia, lugares onde é mais perseguido.

“Nossa equipe está no Iraque agora, e o Departamento de Estado dos EUA acabou de enviar uma notificação dizendo que ‘todo o pessoal dos EUA deixou o Iraque’ e todas as ONGs foram embora, mas nossos caras ainda estão lá. Estávamos lá pelo ISIS.

Nós estivemos lá. através do pior dos piores “, disse Feucht. “Todos achavam que éramos loucos. Assim que todos estavam saindo, chegamos e, por causa disso, estamos prosperando, em um próspero projeto lá”.

Para Feucht, o trabalho missionário está no DNA de sua família, como filho de médicos missionários que o levaram em viagens a pessoas não alcançadas e lugares remotos, ele viu o que a maioria dos americanos cristãos, que representam apenas 5% da população cristã global, don não consegue ver.

Queremos redefinir as missões de uma geração para as quais somos os primeiros a responder. “Essa é a essência do evangelho para entrar em lugares onde ninguém mais está disposto a ir.”concluiu Feucht.

Amigo De Cristo Noticias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui