Argélia fecha igreja cristã e escola bíblica após negar permissão

Argélia fecha igreja cristã e escola bíblica que há anos espera por permissão
Argélia fecha igreja cristã e escola bíblica que há anos espera por permissão

Autoridades na Argélia, fecharam outra igreja cristã, juntamente com a escola bíblica após o fechamento de outras igrejas, ocorrido neste ano.

A Igreja de Boudjima foi selada pelas autoridades na província de Tizi Ouzou no final do mês passado, de acordo com o site de monitoramento de perseguições cristãs Morning Star News .

O pastor da igreja, Youcef Ourahmane, disse à agência de notícias que o governo citou uma lei que requer autorização para locais de culto não muçulmanos, segundo The Chritianpost.

Ourahmane, junto com oficiais da Igreja Protestante da Argélia (EPA), se reuniram com oficiais militares em 22 de maio e foram informados de uma “ordem de execução” para fechar a igreja e a escola.

Ourahmane explicou que um decreto de 2006 estipula que as igrejas não-muçulmanas devem obter permissão de um comitê nacional para ser registrado.

 Com tudo mesmo ter apresentado um pedido de permissão, o pedido não foi atendido. Ele alegou que a comissão encarregada de aprovar tais solicitações nunca se encontrou e que nenhum pedido foi aprovado ou sequer considerado.

A agência de ajuda cristã Barnabus Fund relata que a Igreja de Boudjima esteve envolvida em uma batalha legal de anos com as autoridades e garantiu uma vitória judicial em janeiro que deveria permitir a abertura da igreja.

“Estou triste por ter que enfrentar essa injustiça”, disse o pastor Ourahmane. “Oramos pelas autoridades que nos perseguem, como nosso Senhor Jesus Cristo ordenou. E apesar de tudo isso, estamos convencidos de que Deus é soberano e está no controle dessa situação e de todas as circunstâncias ”.

Segundo a Middle East Concern , a Igreja Católica e a EPA, uma rede de igrejas em todo o país, são entidades oficialmente reconhecidas.

No entanto, o órgão de fiscalização observa que “os requisitos de registro se tornaram mais rigorosos desde que a EPA foi registrada pela primeira vez na década de 1970”.

O MEC relata que uma lei de 2012 exigia que associações religiosas estivessem presentes em 12 estados argelinos para serem reconhecidas. No entanto, as autoridades “atrasaram o fornecimento de aprovações exigidas pela lei”.

Fechamento de igrejas na Argélia

Em março, foi relatado que o governo argelino fechou várias igrejas nas províncias de Oran, Tizi Ouzou e Aïn Turk nas semanas e meses anteriores. Os encerramentos foram descritos como “uma nova onda de perseguição “.

Mohamed Aissa, o ministro de Assuntos Religiosos da Argélia, afirmou na época que as igrejas foram fechadas porque “não atenderam aos padrões exigidos de um local de culto”.

Quanto à Igreja de Boudjima, que foi perseguida pelas autoridades desde 2017, o prédio da igreja recebeu a visita do chefe de segurança Tizi Ouzou em 28 de abril, que supostamente disse aos ocupantes do prédio para deixá-lo.

A Morning Star News observa que “comitês de segurança de edifícios” fizeram visitas a igrejas afiliadas à EPA desde 2017.

A Argélia classifica-se como a 22ª pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a World Watch List de 2019 da Open Doors USA.

Além do fechamento de igrejas, o Portas Abertas observa que os cristãos – especialmente cristãos convertidos – enfrentam uma enorme quantidade de perseguição social e familiar. Outra fonte de perseguição vem da influência de grupos muçulmanos radicais no país.

“Leis restritivas que regulam o culto não-muçulmano, proibindo a conversão e proibindo a blasfêmia, colocam os cristãos em risco extremo”, diz um informe da Portas Abertas na Argélia.