Em menos de um mês 120 cristãos foram mortos na Nigéria

Ataque rersultou na morte de mais de 50 cristãos e na destruição de mais de 140 casas

Em menos de um mês 120 cristãos foram mortos na Nigéria
Em menos de um mês 120 cristãos foram mortos na Nigéria

Nigéria – Em menos de um mês pelo menos 120 cristãos foram mortos em ataques de militantes muçulmanos Fulani no estado de Kaduna, na Nigéria.

Na última segunda-feira, um ataque resultou na morte de mais de 50 cristãos e na destruição de mais de 140 casas.

O governador do estado de Kaduna, Nasir El-Rufai, impôs nesta semana um toque de recolher na área do governo local de Kajuru, já que milhares de pessoas foram expulsas de suas casas pela violência causada por militantes fulanis.

Publicidade

O toque de recolher vem após uma série de ataques recentemente contra as comunidades predominantes cristãs de Adara no Sul Kaduna, segundo o The Christian Post.

Só na segunda-feira, foram 52 mortes, outras dezenas ficaram feridas e cerca de 143 casas foram destruídas em ataques nas vilas de Inkirimi, Dogonnoma e Ungwan Gora, no distrito de Maro, na área do governo local de Kajuru, segundo Christian Solidarity Worldwide.

O ataque de segunda-feira ocorreu após uma vila ser atacada em Ungwan Barde, Kajuru, no qual 17 pessoas foram mortas e dezenas de casas foram incendiadas.

No final de fevereiro, houve outro ataque em Maro que resultou na morte de cerca de 38 cristãos e viu casas e uma igreja incendiadas. Em 10 de fevereiro, 10 pessoas foram mortas em um ataque em Ungwan Barde, enquanto outras seis foram mortas em ataques isolados no dia anterior.

A CSW, uma ONG reconhecida pelas Nações Unidas que defende cristãos perseguidos em todo o mundo, relata que as vítimas dos ataques de segunda-feira incluíram mulheres e crianças.

Sobreviventes disseram à CSW organização sem fins lucrativos que os atacantes estavam separados em três grupos. Um grupo atirou e matou pessoas, o segundo incendiou prédios e um terceiro correu atrás de pessoas que fugiam da local.

Segundo a CSW, uma vítima do ataque que sofreu um corte profundo entregou um bebê natimorto pouco depois.

“Estamos profundamente perturbados com o ressurgimento de ataques de milícias no sul de Kaduna e estendemos nossas mais profundas condolências ao povo Adara”, disse o presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, em um comunicado.

“A morte e a destruição implacáveis ​​são uma triste acusação do fracasso contínuo de ambos os níveis de governo em cumprir o mandato principal de proteger imparcialmente todos os seus cidadãos”, argumentou Thomas.

Amigo De Cristo Noticias

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: