Governo chinês fecha o cerco contra cristãos na China

“É como viver em uma grande prisão”, diz outro cristão.

Governo chinês fecha o cerco contra cristãos na China
Governo chinês fecha o cerco contra cristãos na China (cristãos chineses orando)

O governo chinês esta fechando o cerco contra os cristãos e demais religiões minoritarias com o novo decreto que entrou em entrou em vigor em 1 de fevereiro de 2018, o que em prática irá aumentar a pressão sobre os cristãos restrigindo a liberdade religiosa.

Nos últimos anos, a polícia aumentou a segurança. Há carros blindados nas ruas, delegacias em cada esquina e toneladas de câmeras espalhadas por toda parte. A região agora está sob o que provavelmente é a mais intensa vigilância por parte do governo no mundo.

Como é a vida em um lugar onde cada movimento pode ser monitorado? “Cheguei a ser revistada 37 vezes em um só dia. Quando você vai ao mercado, quando dirige um carro, quando vai ao cinema, quando pega um trem, até mesmo o seu smartphone é revistado”, conta uma líder cristã. “É como viver em uma grande prisão”, diz outro cristão local.

Durante anos, a China tentou suprimir um movimento separatista e derrotou os terroristas islâmicos sem hesitação. Para aumentar a vigilância à população, o governo recrutou seis vezes mais policiais neste ano do que no ano passado.

Além disso, todos os apartamentos serão obrigados a colocar um código QR, contendo informações digitais de quem vive e ocupa aquele espaço para uma verificação regular. Devido às muitas revistas e monitoramento nas atividades religiosas, os cristãos estão se tornando raros.

As igrejas registradas pelo governo chinês também precisarão instalar um dispositivo para monitoramento durante os cultos de domingo. Qualquer pessoa que participar terá que registrar sua identificação ao entrar na igreja. Muitos cristãos deixaram de ir às igrejas registradas.

Em janeiro, entrou em vigor uma versão revisada do Regulamento de Assuntos Religiosos que endurece o controle das autoridades sobre as atividades religiosas e estabelece multas e novas responsabilidades legais.

A repressão não é inédita. Nos últimos meses, a China derrubou várias igrejas – alegando serem ilegais -, confiscou cruzes e obrigou a substituição de imagens de Jesus Cristo por retratos do presidente Xi Jinping.

Veja também:
Igreja evangélica é explodida pelo governo na China

Ainda que na teoria exista liberdade de culto na China, na prática isso é bem diferente.

“Isso não pode ser chamado de liberdade religiosa, mas de perseguição religiosa disfarçada de liberdade. O que a China quer é se certificar de que o que é dito dentro desses espaços está em concordância com o que o Partido Comunista quer que as pessoas acreditem”, afirmou Brynne Lawrence, da China Aid, organização nos Estados Unidos com ampla rede de ativistas e cristãos chineses.

A nova regra mantém a proibição de exercer a profissão daqueles que não têm a permissão do governo e enfatiza que grupos não autorizados não poderão receber doações ou divulgar informações religiosas na internet, por exemplo. Quem descumprir a lei sofrerá sanções mais duras do que as atuais, como multas de 100 mil a 300 mil iuanes (R$ 50.400 e R$ 151.200).

Apesar de, por enquanto, o texto só especificar punições em dinheiro, todos sabem que também existe o risco de prisão.

“Os novos regulamentos dão aos funcionários mais poder sobre os religiosos da China, e é provável que usem isso”, advertiu Lawrence, que teme que a repressão aumente.

A Igreja Perseguida da China, pede orações, pois o cerco a cristãos tem se tornado cada vez mais opressor.*Com informações Portas Abertas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here