O que a Bíblia diz sobre o divórcio?

É permitido ao casal cristão se divorciar?

O que a Bíblia fala sobre o divórcio?
O que a Bíblia fala sobre o divórcio?

O índice de divórcios no Brasil cresce a cada ano. É comum ver casais que se casam rapidamente e se separam em uma velocidade maior ainda. Mas a questão é, o que a Bíblia diz sobre o divórcio? É permitido ao casal cristão se divorciar? Nessa linha segue um estudo que aborda essa questão, leia e tire suas conclusões.

Divórcio não é algo recomendado por Deus e nem que O agrada, mas, à luz da Bíblia, há uma circunstância em que o divórcio é permitido.

O padrão divino para o casamento é, segundo as palavras de Jesus, que seja indissolúvel (Marcos 10.9). Mas há uma larga diferença entre o ideal e o real. Logo, conhecendo a dureza do coração humano e seus problemas de relacionamento, Deus permitiu exceções ao Seu projeto inicial, especialmente em casos de violência doméstica, abusos emocionais e sexuais e casos contumazes de adultério.

Veja também: Casamento aos olhos de Deus

Quando foi indagado a respeito de o divórcio ser ou não permitido segundo a Lei mosaica, Jesus explicou: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. Mateus 19.8,9

Não havendo infidelidade, o divórcio é ilegítimo, pois não põe fim ao vínculo do casamento. Mas, o mesmo não se pode dizer quando o motivo é o adultério. No caso de simples repúdio por motivo fútil, o divórcio é ilegítimo aos olhos de Deus.

De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo.

Entretanto, isso não significa que o divórcio deva acontecer automaticamente quando o cônjuge comete adultério. Aqueles que descobrem que seu parceiro foi infiel devem primeiro fazer todo o esforço para perdoar, reconciliar-se e restaurar o relacionamento.

O divórcio deve ser empregado apenas em última instância, quando o adúltero não demonstrar arrependimento genuíno repetindo esse ato vil que abala a confiança do cônjuge, machuca-o e desestrutura o vínculo conjugal.

Algumas pessoas empregam Romanos 7.1-3 para respaldar uma posição contrária a um novo casamento em qualquer hipótese. Afirmam que o que traiu e o que foi traído estão ligados até a morte. O contexto não permite tal entendimento. O objetivo do apóstolo Paulo era mostrar, especificamente aos judeus, a diferença entre a antiga e a nova aliança.

Utilizar esse texto para condenar o divórcio em qualquer hipótese é ser mais duro do que Jesus. É obrigar a pessoa a conviver com o outro sem jamais poder divorciar-se, ainda que seja traída ou agredida repetida e continuamente.

Se a nova aliança condenasse alguém a esse tipo de jugo, não se faria superior em nada à antiga, já que a Lei mosaica, nesse sentido, seria mais humana, tolerante e justa. Os judeus não tinham o casamento como indissolúvel. Eles conheciam as exceções. Jesus as interpretou de forma mais eficaz e restrita.

Autor: Pastor Silas Malafaia

5 COMENTÁRIOS

  1. Alguns especialistas insistem em que a prova de que se casar novamente por qualquer outro motivo que não a morte do cônjuge é adultério está nesses versículos. Contudo, tanto a lei romana quanto a lei judaica permitiam novo casamento após um divórcio legítimo (ver “Casamento e divórcio no antigo Israel”, em Ml 2). Paulo não está ensinando a respeito de casamento ou divórcio, apenas ilustrando a ideia que os cristãos haviam “morrido” para a lei. — Bíblia de Estudo Arqueológica NVI , p. 1895

  2. Amado, não é bem assim. Você precisa de muito cuidado ao ensinar sobre esse tema, que é muito delicado. Pessoas podem ser induzidas ao erro. Infidelidade não quebra a aliança do casamento. Se você interpretar corretamente Rm 7.1-3 fala que o casamento é para toda a vida. É uma analogia. 1 Coríntios 7 é um capítulo muito importante também sobre esse tema e sugiro que estude com muita atenção. Nos versos 10 e 11, dá abertura para uma separação, mas que ambos devem procurar a reconciliação ou então QUE FIQUE SEM CASAR. Em nenhum momento, a bíblia permite novo casamento se um dos cônjuges estiver vivo. Mt 19.9 fala sobre fornicação e a permissão de uma separação, mas aqui é um ensinamento que se aplica somente ao contexto judaico. Note que em Mc 10.11 e Lc 16.18, que são passagens paralelas, não há nenhuma permissão de divórcio. Enfim, isso é apenas uma pincelada, esse tema é muito mais profundo. Fiquem na paz.

    • Caro amigo, observe a realidade do contexto. Alguns especialistas insistem em que a prova de que se casar novamente por qualquer outro motivo que não a morte do cônjuge é adultério está nesses versículos. Contudo, tanto a lei romana quanto a lei judaica permitiam novo casamento após um divórcio legítimo (ver “Casamento e divórcio no antigo Israel”, em Ml 2). Paulo não está ensinando a respeito de casamento ou divórcio, apenas ilustrando a ideia que os cristãos haviam “morrido” para a lei. — Bíblia de Estudo Arqueológica NVI , p. 1895:1 Alguns professores judeus posteriores argumentaram que aquele que se converteu ao judaísmo era uma nova pessoa – de tal forma que os antigos parentes não mais contavam como parentes. Paulo pode usar essa linha de raciocínio de maneira diferente: assim como uma pessoa se tornou morta para seu antigo mestre (aqui, pecado) na conversão (ver comentário em 6:1-5), essa pessoa tornou-se morta para a antiga lei na qual ele ou ela foi detida.

      7:2–4 De acordo com a lei bíblica, tanto a morte como o divórcio separaram os relacionamentos anteriores; Paulo enfatiza aquele que se encaixa em sua analogia no contexto. (Porque nunca se falou do ex-marido de uma mulher como seu “marido” depois do divórcio, ninguém teria entendido as palavras de Paulo aqui como a exclusão de certos tipos de divórcio; cf. 1 Coríntios 7:15.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here