Homem armado mata nove cristãos em Igreja no Egito

Sobe para nove número de mortos em ataque a igreja no Egito

Homem armado mata nove cristãos em Igreja no Egito
Homem armado mata nove cristãos em Igreja no Egito

Um homem armado atacou nesta sexta-feira uma igreja cristã copta ao sul do Cairo capital do Egito, matando nove pessoas, informou o porta-voz do Ministério da Saúde, Khaled Megahed, atualizando o balanço de quatro vítimas letais, antes de ser abatido pela polícia.

Em entrevista à televisão pública, o porta-voz disse que o agressor foi abatido quando tentou invadir o local. Ele seria o 10º morto do episódio, que também deixou vários feridos.

O indivíduo abriu fogo do lado de fora da igreja, ferindo cinco guardas. Segundo as mesmas fontes, um oficial de Polícia está entre as vítimas fatais.

Os agentes prenderam um possível cúmplice, que tentou escapar após o ataque.

Em vídeos filmados com celulares e postados nas redes sociais, vê-se um homem barbudo, com uma jaqueta cheia de munição, estendido no chão, enquanto era imobilizado e algemado pelos policiais. Ele parece estar quase inconsciente.

O acesso à igreja foi interditado pela Polícia, enquanto a perícia examinava a região. Até agora, nenhum grupo assumiu a autoria do ataque.

– Sequência de ataques –

Desde dezembro de 2016, os cristão do Egito – os coptas – são alvo de vários atentados sangrentos em igrejas, ou em ataques direcionados cometidos na Península do Sinai. Boa parte deles foi reivindicada pelo grupo Estado Islâmico (EI).

Em 11 de dezembro de 2016, no Cairo, um atentado suicida contra a igreja copta São Pedro e São Paulo deixou 29 mortos. O Estado Islâmico (EI) assumiu o ataque.

Em abril de 2017, 45 pessoas foram mortas em dois ataques suicidas reivindicados pelo EI em plena celebração do Domingo de Ramos em Alexandria, segundo maior cidade do país, e em Tanta, no norte do Egito.

Em maio, o grupo extremista reivindicou um ataque contra um ônibus de peregrinos coptas, o qual terminou em 28 mortos. As vítimas viajavam para um mosteiro.

Os extremistas também cometeram o massacre de fiéis muçulmanos no Sinai em junho, com saldo de mais de 300 mortos, em uma mesquita sufi, uma vertente mística do Islã considerada herege pelo EI.

Depois desses ataques, o Egito estabeleceu estado de emergência nacional, e o presidente Abdel Fatah al-Sissi pediu ao Exército que se impusesse sobre os extremistas com uma “força brutal”.

O grupo realiza uma letal rebelião de sua base na península do Sinai, fronteiriça com Israel e com a Faixa de Gaza, e matou centenas de policiais e de soldados.

Na quinta-feira, seis soldados egípcios morreram na explosão de uma bomba em uma estrada no Sinai.

Na semana passada, o Estado Islâmico disse ser responsável pelo disparo de um míssil antitanque contra um helicóptero em um aeroporto do Norte do Sinai durante uma visita de dois ministros. Eles escaparam ilesos, mas morreram o assistente de um deles e um piloto do helicóptero.

– Minoria na mira –

Ortodoxos em sua maioria, os coptas constituem a comunidade cristã mais numerosa do Oriente Médio e uma das mais antigas.

A minoria cristã representa 10% dos quase 96 milhões de habitantes no Egito, de maioria muçulmana. Seus fiéis estão espalhados por todo país, onde são a primeira minoria religiosa, com concentrações mais marcadas no Médio-Egito. Têm baixa representatividade no governo e se dizem marginalizados.

Além dos ataques contra os cristãos, os extremistas também costumam ter as forças de segurança como alvo.

O EI é suspeito de estar por trás de um atentado que deixou mais de 230 mortos contra uma mesquita do leste do Egito em 24 de novembro passado.(*swissinfo)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here