Estado Islâmico reivindica ataque contra igreja cristã no Egito

Nove cristãos coptas foram mortos no atentado contra a Igreja

Estado Islâmico reivindicou ataque contra igreja cristã no Egito
Estado Islâmico reivindicou ataque contra igreja cristã no Egito

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque cometido nesta sexta-feira contra uma igreja cristã no sul do Cairo capital do Egito, em que nove pessoas morreram, segundo um comunicado difundido pela agência de propaganda filiada aos extremistas, Amaq.

“Um grupo de combatentes dependente do Estado Islâmico executou o ataque contra a igreja copta de São Minia” no distrito de Helwan, afirmou o EI neste comunicado. Segundo a Amaq, “um dos membros deste grupo de soldados do califado morreu como mártir na operação que se saudou com a morte de membros das cruzadas e da polícia.

Em vídeos filmados com celulares e postados nas redes sociais, vê-se um homem barbudo, com uma jaqueta cheia de munição, estendido no chão, enquanto era imobilizado e algemado pelos policiais. Ele parecia estar quase inconsciente.O acesso à igreja foi interditado pela Polícia, enquanto a perícia examinava a região.

Em um primeiro momento, o porta-voz do Ministério da Saúde, Khaled Megahed, disse à televisão pública que o agressor foi abatido quando tentou invadir o local. Ele seria o 10º morto do episódio, que também deixou vários feridos. Mais tarde, o Ministério do Interior divulgou uma nota afirmando que o invasor, um extremista procurado por cometer ataques contra a Polícia, ficou ferido e foi detido.

Em um comunicado, a Presidência egípcia afirmou que esse ataque “reforça a determinação do Governo na eliminação do terrorismo e do extremismo no país”. Países do Golfo aliados do Egito enviaram suas mensagens de condolências pelo ataque de hoje. A Arábia Saudita disse que estará “ao lado do Egito frente aos pecaminosos atos terroristas”, enquanto os Emirados Árabes Unidos consideraram o ataque “covarde”. Em meio a uma disputa diplomática com seus vizinhos do Golfo e com o Egito, o Catar também manifestou seus pêsames e enfatizou sua “firme posição na rejeição ao terrorismo”.

Na noite desta sexta-feira, foram organizados funerais coletivos em uma igreja em Helwan. O papa copto, Teodoro II, afirmou em uma mensagem de condolências que Egito “continua sendo forte e capaz de derrotar as forças obscuras”.

Sequência de ataques

Desde dezembro de 2016, os cristão do Egito – os coptas – são alvo de vários atentados sangrentos em igrejas, ou em ataques direcionados cometidos na Península do Sinai. Boa parte deles foi reivindicada pelo grupo Estado Islâmico (EI).

Em 11 de dezembro de 2016, no Cairo, um atentado suicida contra a igreja copta São Pedro e São Paulo deixou 29 mortos. O Estado Islâmico (EI) assumiu o ataque.
Em abril de 2017, 45 pessoas foram mortas em dois ataques suicidas reivindicados pelo EI em plena celebração do Domingo de Ramos em Alexandria, segundo maior cidade do país, e em Tanta, no norte do Egito. Em maio, o grupo extremista reivindicou um ataque contra um ônibus de peregrinos coptas, o qual terminou em 28 mortos. As vítimas viajavam para um mosteiro.

Os extremistas também cometeram o massacre de fiéis muçulmanos no Sinai em junho, com saldo de mais de 300 mortos, em uma mesquita sufi, uma vertente mística do Islã considerada herege pelo EI. (*Info: AFP – Agence France-Presse)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here