Estado Islâmico assume ataque a bomba em igrejas no Egito

Estado Islâmico assume ataque a bomba em igrejas no Egito
Estado Islâmico assume ataque a bomba em igrejas no Egito

Estado Islâmico assume ataque a bomba em igrejas no Egito – O grupo terrorista Estado Islâmico (EI), assumiu a autoria de dois atentados em igrejas católicas no Egito, neste domingo (9). Segundo a agência de notícias Amaq, as explosões deixaram ao menos 36 mortes e mais de 100 feridos.

“Um grupo que pertence ao Estado Islâmico realizou os dois ataques às igrejas nas cidades de Tanta e Alexandria”, disse a Amaq.

No ataque de Tanta, a cerca de 100 km da capital, Cairo, o alvo foi uma igreja católica copta, que estava lotada de fieis durante a realização de uma missa para celebrar o Domingo de Ramos.

Saiba mais:Ataque a bomba em duas igreja no Egito deixa 36 mortosAtaque a bomba em duas igreja no Egito deixa 36 mortos – Uma bomba explodiu em uma igreja em Tanta, no Egito, matando pelo menos 25 pessoas e ferindo outras 71, segundo autoridades do país. A igreja estava cheia de fiéis que celebravam o Domingo de Ramos.

Somente naquele local, o número de mortes já chega a 25.

Horas depois, em Alexandria, um homem-bomba fez o segundo ataque e deixou 11 mortos, incluindo três policiais.

Católicos coptas, que representam 10% da população egípcia, e muçulmanos tem convivido pacificamente por séculos no País, entretanto, este já é o segundo ataque em menos de seis meses.

Antes do Natal, 25 pessoas morreram e 31 ficaram feridas em um atentado contra uma das principais catedrais do Egito.

A comunidade cristã do Egito tem se sentido cada vez mais insegura desde que o Estado Islâmico se espalhou pelo Iraque e pela Síria, em 2014, atacando impiedosamente as minorias religiosas. Em 2015, 21 cristãos egípcios que trabalhavam na Líbia foram mortos pelo Estado islâmico.

O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi e o primeiro-ministro, Sherif Ismail, visitarão Tanta ainda neste domingo. Sisi ordenou uma reunião de emergência do conselho de defesa nacional, informaram as agências de notícias estatais.