Igreja católica perde 9 milhões de fiéis no Brasil, segundo pesquisa

Ao menos 9 milhões de pessoas deixaram de ser católicos entre 2014 a dezembro de 2016

3
Igreja católica perde 9 milhões fiéis no Brasil, segundo pesquisa
Ao menos 9 milhões de pessoas deixaram de ser católicos

A igreja católica no Brasil está perdendo sua hegemonia, ao menos 9 milhões de fiéis deixaram de ser católicos entre 2014 a 2016, segundo uma pesquisa divulgada neste sábado (24) pelo Datafolha.

De outubro de 2014 a dezembro deste ano, eram 60% os que se declaravam católicos. Neste ano, são 50% dos brasileiros maiores de 16 anos, de acordo com pesquisa.

A pesquisa revelou também, que o percentual dos que dizem não ter uma religião, mais que dobrou, de 6% para 14%, porém segundo professor de sociologia da USP Reginaldo Prandi, esse aumento dos sem-religião, não significa que essas pessoas tenham perdido a crença.

O Datafolha ouviu 2.828 brasileiros maiores de 16 anos selecionados por sorteio aleatório, em amostragem representativa da população. O levantamento foi feito em 174 municípios e a pesquisa tem margem de erro de dois pontos.

Outros dados interessante a nível global

Estimativas globais sustentam essas análises. Dados do Centro Global de Estudos da Cristandade mostram que mesmo os católicos crescem a taxas maiores que a população com um todo, ou sejam, aumentam sua presença no mundo, enquanto encolhe a fatia dos não religiosos.

O ritmo de crescimento da população total é 1,21% ao ano, o de católicos, 1,28%, o de evangélicos, 2,12% e o de pentencostais, 2,20%. As religiões independentes se expandem a taxas de 2,21% (chegando a 2,94% na Ásia).

Já os sem-religião crescem 0,31% por ano, os agnósticos, 0,36%, e os ateus, 0,05%.

No Brasil, ainda que a redução recente na porcentagem de católicos não tenha sido acompanhada por expansão de evangélicos, metade dos protestantes saíram da Igreja Católica, onde foram criados, segundo pesquisa do Instituto Pew.

A mudança de religião se dá antes dos 25 anos, e os convertidos citam como principais motivos para a mudança a maior conexão com Deus (77%) e o estilo de culto da nova igreja (68%).

Mais da metade diz que procurava mais ênfase em moralidade ou encontrou mais ajuda. Procurada pela Folha, a CNBB (conferência dos bispos) não quis comentar.(*Com informações: Folha de São Paulo)

Compartilhar

3 COMENTÁRIOS

  1. O maior índice da saída de “ex-fiéis” da Igreja Católica se dá por causa da CNBB e dos métodos de muitos padres em querer transformar a Igreja num palco de política partidária. Estes adotam a TL, inibem os leigos que pensam o contrário, censura aqueles que seguem a tradição. O resultado é catastrófico! e mais e mais “fiéis” saem da Igreja. A descoberta da ortodoxia por muitos é um outro fator importante. Muitos católicos estão redescobrindo a fé através da Missa Tradicional, onde esta não dá nenhuma brecha para tantos erros que há nas celebrações da “missa nova”. Muitos que não sabem disto ou de coisa alguma da fé Católica a abandonam com a primeira sedução que aparece e depois de alguns anos, não preenchendo o vazio, acabam voltando a Igreja Católica, ou ficando sem religião, deviso ao orgulho. A igreja Católica foi, é e sempre será a única Igreja de Cristo, e que perdura pelos séculos dos séculos, queiram ou não.

  2. Concordo como Natan de Souza. Entretanto, muito do que o Brasil está colhendo hoje, é fruto de semente semeada por muitos aos anteriores.
    Se os que se dizem crentes, de fato, se humilharem, orarem, se arrependerem dos seus maus caminhos e buscarem, de verdade, a face do Deus vivo, certamente a história desta Nação será de grande orgulho nacional e de exemplo para o mundo, as outras nações.

  3. Não adianta o povo evangélico crescer em quantidade.
    Devido a quantidade de Crentes que tem no brasil hoje, não era para o brasil está passando por isso.
    Já que, é muitos “crente” orando a Deus.
    Os Crentes precisam se tornar Cristão de verdade. Só assim, alguma coisa pode acontecer…

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here