Igreja Católica abre discussão para aceitar gays

Igreja Católica abre discussão para aceitar gays
Igreja Católica abre discussão para aceitar gays

Igreja Católica abre discussão para aceitar gays. Nesta segunda-feira, 13, o Concílio extraordinário de bispos pediu que a Igreja Católica passe a aceitar gays como parte de fieis.

Um documento elaborado por 200 representantes da entidade, indagou se o catolicismo pode aceitar os gays e reconhecer aspectos positivos de casais do mesmo sexo. “Os homossexuais têm dons e qualidades para oferecer à comunidade cristã: somos capazes de acolher essas pessoas, garantindo-as um espaço suficiente em nossas comunidades?”, é o que indaga.

Durante o encontro, Francisco já havia chegado a mencionar sobre as novas propostas das famílias e cogitou uma possível aceitação das “diferenças”. Segundo o texto, é imprescindível que a Igreja Católica integre os homossexuais formando um “espaço fraternal”. O documento elaborado é base para a segunda semana de reunião dos representantes. Ainda de acordo com o documento, os católicos de todo o mundo devem rever seus valores de aceitação. Essa é a primeira vez que a Igreja Católica cogita a possibilidade de aceitar relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Segundo John Thavis, jornalista e escritor americano especialista em assuntos ligados ao Vaticano, a discussão sobre assunto já abre diversos precedentes para a agregação e aceitação de homossexuais na igreja. “O documento reflete claramente o desejo do Papa Francisco de adotar uma aproximação mais misericordiosa aos temas da família e do casamento”, declarou.

O texto não assinala nenhuma mudança na condenação da igreja aos atos homossexuais ou em sua oposição ao casamento gay, mas usa uma linguagem menos condenatória e mais compassiva.

A gestão do Papa Francisco é conhecida pela compaixão e aceitação. Em 2013, Francisco declarou que não era capaz de julgar a vida das pessoas. “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar“, disse.

COMPARTILHAR