“Não existe ‘cura gay’. Homossexualidade não é doença”, Afirma Marco Feliciano. Assista:

“Não existe ‘cura gay’. Homossexualidade não é doença”, Afirma Marco Feliciano. Assista:

“Não existe ‘cura gay’. Homossexualidade não é doença”, Afirma Marco Feliciano. Assista:
“Não existe ‘cura gay’. Homossexualidade não é doença”, Afirma Marco Feliciano. Assista:

Marco Feliciano (PSC-SP) em um vídeo publicado por ele,  fala sobre a repercussão da aprovação do projeto que ficou conhecido como “cura gay”, e fala sobre o modo como a mídia tem tratado desse assunto.

“Isso pra mim é desonestidade intelectual, afirmou o deputado e pastor que disse que o apelido “cura gay” dado pela mídia junto com os ativistas gays, na verdade é uma distorção da real proposta criada pelo deputado João Campos (PSDB-GO), autor do projeto.

Segundo Feliciano, João Campos propôs o PDC 234/2011 por ouvir queixas de psicólogos contra a resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que limita a atuação dos profissionais da área no tema.

“Não existe ‘cura gay’ porque homossexualidade não é doença. Fique isso aqui bem claro”, disse Feliciano, que contra-atacou as acusações de preconceito, dizendo que o termo “cura” foi usado apenas pelo CFP no parágrafo único do artigo 3º de sua resolução.

O pastor mencionou ainda que como o tema homossexualidade ainda não é consenso entre os estudiosos do mundo inteiro na área de psicologia, a determinação do CFP de proibir a discussão do assunto e o pronunciamento de profissionais da área sobre a questão é inconstitucional.

Marco Feliciano se exaltou quando comparou a “maldade” da mídia ao criar apelidos para projetos de lei que tenham relação com temas ligados aos Direitos Humanos, como o projeto chamado de Estatuto do Nascituro, que cria leis de proteção ao feto, apelidado de “bolsa estupro”.

O parlamentar ressaltou ainda que a Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) era uma “comissão vazia” antes de sua posse, e que sua iniciativa de colocar o PDC 234/2011 (apelidado de “cura gay”) para votação se deu porque ele era o único projeto em tramitação na comissão que tinha “relatoria pronta”, indispensável para que seja dado andamento.

Assista o vídeo:

Fonte: Gospel Mais


 

COMPARTILHAR