Cristãos e Muçulmanos se unem para criação de partido político na Rússia

Cristãos e  Muçulmanos  se unem para criação de partido político na Rússia
Cristãos e Muçulmanos se unem para criação de partido político na Rússia

Cristãos e  Muçulmanos  se unem para criação de partido político na Rússia.Cristãos de diferentes confissões, apoiados por muçulmanos, judeus e até mesmo por alguns agnósticos, se reuniram na Rússia para a convenção de fundação do Partido dos Dez Mandamentos, movimento secular que procura estabelecer princípios éticos e religiosos na sociedade.

A convenção fundadora recebeu 134 delegados de 45 diferentes regiões russas. O chefe do movimento recém-criado é Sergei Mezentsev, filósofo e líder do movimento Rússia Bem-Aventurada. Ele começou a criar o partido há, aproximadamente, um ano, quando anunciou que o projeto seguiria as normas comuns espirituais e éticas baseadas nos conhecidos dez mandamentos bíblicos.

Apesar do fato do movimento Rússia Bem-Aventurada congregue principalmente batistas evangélicos, o Partido dos Dez Mandamentos ganhou o apoio da Igreja Ortodoxa Russa. O chefe do departamento do Santo Sínodo para as relações entre a Igreja e a sociedade, Vsevolod Chaplin, falou na convenção e disse que esperava que a nova legenda “trouxesse de volta a dimensão ética e os mandamentos de Deus para a prática cotidiana política e a vida em sociedade”.

O religioso lamentou que “muitos (…) cidadãos compreendam a sociedade secular como uma manifestação do secularismo militante ligado à destruição das culturas tradicionais dos povos da Rússia”. Ele acrescentou que “nenhuma das religiões pode, por si só, dar uma resposta adequada a estes desafios”.

No entanto, em comentários posteriores, Chaplin garantiu que a Igreja Ortodoxa Russa não tenciona conceder qualquer preferência ao Partido dos Dez Mandamentos e que está aberta ao diálogo igualitário com todas as forças políticas que não rejeitem tal comunicação.

Chaplin lembrou que os padres ortodoxos não podem se filiar ao partido, já que desde 1997 são proibidos pela Igreja de tomar parte em projetos políticos, mas saudou o partido de Sergei Mezentsev pela participação dos fiéis, sejam eles protestantes, cristãos ortodoxos, católicos romanos, muçulmanos, judeus, ou até mesmo agnósticos que seguem valores religiosos tradicionais em suas vidas.

A legenda ainda não está registrado oficialmente para concorrer a eleições, e isso pode ser um problema para seus fundadores. Na verdade, a lei russa proíbe a criação de partidos políticos baseados em crenças religiosas. Os regulamentos, e até mesmo os nomes dos partidos políticos, não podem afirmar a proteção dos interesses religiosos como um objetivo.*(Informações Diário da Rússia)

COMPARTILHAR