Brasileira que leiloou a virgindade participou do programa “De Frente com Gabi” e garantiu que sua atitude não é de prostituição.

Brasileira que leiloou a virgindade participou do programa “De Frente com Gabi” e garantiu que sua atitude não é de prostituição.

Brasileira que leiloou a virgindade participou do programa "De Frente com Gabi" e garantiu que sua atitude não é de prostituição.
Brasileira que leiloou a virgindade participou do programa “De Frente com Gabi” e garantiu que sua atitude não é de prostituição.

A jovem de 20 anos Catarina Migliorini, que vendeu na internet a sua virgindade, na proposta de fazer parte de um programa de televisão da Austrália, foi entrevistada na madrugada desta quinta-feira (28) por Marília Gabriela no programa do SBT “De Frente com Gabi”. E afirmou que não é prostituta.

Catarina disse que o dinheiro em si não foi a sua principal motivação para leiloar a sua virgindade e que não se considera uma prostituta como alguns alegam. “[Pela regra do programa] o dinheiro do leilão era todo para mim. Mas o que mais me encantou foi fazer parte de um documentário”, disse Catarina.

Um japonês de 53 anos, que não teve a identidade revelada foi quem comprou a virgindade da moça por R$ 1,5 milhão. A jovem contou que ficou conversando com o japonês por cerca de uma hora em um restaurante australiano e que depois de pensar sobre a conversa resolveu não aceitar a proposta. “O japonês foi uma grande surpresa”, afirmou a moça, que não explicou o motivo.

Na entrevista ela também disse que recebeu mais duas propostas do leilão e que está analisando. “Um foi um pouquinho mais de US$ 1 milhão, o outro foi um pouquinho menos”, firmou com relação aos valores das propostas.

Pergunta sobre Vender a Virgindade e a Prostituição.

Com relação à pergunta sobre Prostituição, Catarina disse que não considera vender a virgindade como um ato de prostituição. “Muita gente chama de prostituição, mas eu chamo de um ato de liberdade”. Concluiu.

Ela também comentou a polêmica gerada durante o Fashion Rio 2013, onde foi convidada por uma marca para desfilar e depois proibida e que foi definida como prostituta pela organização do evento. “Eu viajei 35 horas para vir ao evento. Já no aeroporto recebi a notícia de que não poderia desfilar. Me disseram que os motivos foram que a reação foi negativa e que a marca não poderia mais se apresentar no evento se eu desfilasse”, afirmou a jovem.

Marília Gabriela também perguntou sobre a possibilidade de acontecer alguma coisa que ela não queira no momento em que perderá a virgindade com o vencedor do leilão. A resposta de Catarina foi a seguinte: “Para isso tem os seguranças que vão ficar na porta e qualquer coisa eu berro.”.

Sua Família e Repercussão.

Com relação à posição de sua família sobre a decisão de vender a virgindade, Catarina afirmou que sua atitude causou discussões familiares. “A minha mãe é uma pessoa muito amiga para mim, que conversa muito comigo. Ela não gostaria que eu concretizasse o ato e meu pai é contra”, falou. “Os meus irmãos são mais jovens, então têm a mente um pouco mais aberta”.

Ela também disse que esperava uma reação mais negativa no contato direto com sua família e com as pessoas em si, mas afirmou que se eles falam mal é pelas costas.

A jovem também quando pergunta se gostaria de seguir uma carreira artística afirmou que não nega essa possibilidade. “Eu gosto de cinema e teatro. Se eu achar que dá pra encarar, por que não?”. Além disso, ela pretende escrever um livro sobre sua atual experiência. (Com informações televisao.uol.com.br).


COMPARTILHAR