Revista destaca o avanço dos evangélicos no Brasil

Revista destaca o avanço dos evangélicos no Brasil

Revista destaca o avanço dos evangélicos no Brasil
Revista destaca o avanço dos evangélicos no Brasil

A Revista de História da Biblioteca Nacional publica dossiê especial sobre o avanço dos evangélicos no Brasil, que esclarece como a religião chegou ao Brasil e os caminhos que percorreu para alcançar a abrangência que tem hoje. Artigo do sociólogo Ricardo Mariano, da PUC-RS, analisa o surgimento de uma bancada evangélica no Congresso Nacional. Segundo ele, os políticos pentecostais dependem fortemente do apoio eleitoral de pastores:

“Essa dependência reforça o caráter corporativista e moralista de seus mandatos e seu compromisso de atuarem como despachantes de igreja”.

O dossiê traz ainda reportagem de Alice Melo que mostra como os evangélicos vêm se firmando na produção cultural brasileira. Um exemplo é o mercado gospel, que movimenta cerca de R$12 bilhões por ano. E ressalta, em artigo do historiador e antropólogo Marcos Alvito, da Universidade Federal Fluminense, que a corrente pentecostal é uma das grandes responsáveis pelo crescimento exponencial dos evangélicos no país.

No ritmo de Jesus

Segundo artigo de Alice Melo, diante da multidão, sob os holofotes coloridos, ela canta, pula e dança no ritmo do calipso paraense – gênero conhecido em alguns estados do Brasil como brega. Ao contrário do que acontece no espetáculo que ficou famoso na voz de Joelma e nos acordes estridentes da guitarra de Chimbinha, a performance de Mylla Karvalho dispensa o excesso de purpurinas e lantejoulas, shorts curtos e tops que mostram a barriga. Em suas apresentações atuais, a hoje pastora de uma igreja neopentecostal em Palmas (TO) canta apenas músicas de adoração ao Senhor. Nem sempre foi assim: antes de encontrar Jesus, ela fazia parte da banda secular Companhia do Calypso, sucesso no circuito de entretenimento do Norte. Em 2007, após a decisão de se converter ao Evangelho, tornou-se a primeira pessoa a adaptar a batida regional à música gospel, e rapidamente conquistou uma legião de fãs.

“Deus habita em meio a louvores. As pessoas podem até não gostar de religião, mas quem não gosta de música ou mensagens de amor?”, comenta a loura, que em 2013 vai lançar um DVD com seus mais recentes hits, como “Se joga, minha vida” e “Eu acredito em Deus”. Segundo ela, a maior estrela de seus shows é Cristo, e por isso se apresenta de forma mais comedida, sem o remelexo sensual característico de suas antigas aparições nos palcos. “Através da nossa música, muita gente tem sido liberta. Sempre ouço testemunhos de pessoas que achavam gospel careta, que não sabiam que tinham esses ritmos e que, por meio dos encontros, se sentiram tocadas e foram levadas para a igreja. A Bíblia diz que os ritmos são de Deus, o diabo é quem copia, que transforma, perverte”. Afinal, “na casa do Senhor não existe Satanás”, como alertava o famoso bordão baiano.

A ideia passada por Mylla Karvalho está cada vez mais presente no discurso de uma nova geração de evangélicos que vem se adaptando às necessidades específicas de algumas localidades e contribui para que dogmas, antes rigorosos, sejam modificados. Nesta esteira de transformação e assimilação cultural, bailes funk, rodas de samba e pagodes de Jesus começam a pipocar e a atrair multidões no Sudeste; festas de forró animam arrasta-pés de Cristo no Nordeste; e canções sertanejas em ode ao Senhor, tocadas no Centro-Oeste, se tornam cada vez mais comuns, principalmente em zonas pobres das cidades. Sucesso que dá lucro: o mercado gospel movimenta cerca de R$ 12 bilhões por ano, sendo 10% apenas com a indústria musical.

Para conhecer o discurso, o impacto cultural e religioso, e as estratégias utilizadas pelas igrejas evangélicas no Brasil e no mundo, leia o dossiê “Evangélicos, a fé que seduz o Brasil“, capa da Revista de História do mês de dezembro.


Por Claudia Rodrigues, para o Bagarai

COMPARTILHAR