Entenda porque o filme sobre Maomé gerou revoltas entre os muçulmanos

Entenda porque o filme sobre Maomé gerou revoltas entre os muçulmanos

Milhares de pessoas têm protestado em países da Ásia, da África e do Oriente Médio contra um filme feito nos Estados Unidos considerado anti-slâ, que retrata o profeta Maomé. A BBC explica por que a obra tem causado tanta indignação:

Entenda porque o filme sobre Maomé gerou revoltas entre os muçulmanos
Entenda porque o filme sobre Maomé gerou revoltas entre os muçulmanos

O que o filme mostra?

O vídeo, que é o trailer de um filme mais longo chamado Innocence of Muslims (“Inocência de Muçulmanos”, em tradução livre), parece retratar o islã como uma religião de violência e ódio, e Maomé, como um homem tolo e com sede de poder.

A primeira cena do vídeo mostra uma família cristã copta vivendo em um Egito em processo de radicalização e sofrendo ataques de muçulmanos. O pai diz às filhas que os muçulmanos estão matando os cristãos e que o Estado islâmico está escondendo seus crimes.

Em seguida, o filme mostra o profeta Maomé com sua família e seus seguidores no deserto. Maomé é mostrado em posições sexuais com a sua mulher e com outras. Uma das sequências que mais insultaram os muçulmanos inclui uma referência a Maomé sancionando o abuso de crianças, e em determinado momento o profeta revela ser homossexual.

Muitos dos personagens recitam versos supostamente tirados do Corão, mas claramente inventados, falando de matar e extorquir pessoas.

Por que o conteúdo é tão ofensivo?

Qualquer representação de Maomé já vai contra os ensinamentos islâmicos – imagine então uma representação satírica e crítica. A descrição pouco elogiosa da mulher de Maomé e de seus seguidores também é considerada uma blasfêmia.

O princípio fundador do islã é que o Corão é a palavra direta de Deus, revelada a Maomé para ser divulgada à humanidade. Sendo assim, o fato de o vídeo sugerir que o Corão é inspirado em versos do Antigo e do Novo Testamento também é uma afronta aos muçulmanos.

Outras referências aos casos de Maomé com mulheres, a sua ganância e sua tendência à violência também são ofensivas em qualquer contexto.

O que se sabe sobre o vídeo?

Acredita-se que o filme completo tenha cerca de uma hora, ainda que o vídeo mais visto seja um trailer de 14 minutos, amplamente divulgado em inglês e árabe.

O filme tem características amadoras, no que diz respeito a atores, cenário e produção. Foi filmado durante cinco dias em um estúdio da Califórnia em agosto do ano passado, com cerca de 50 atores e outras dezenas de produtores.

A maior parte do conteúdo ofensivo parece não estar presente no filme original, e sim ter sido dublada posteriormente.

Quem é Nakoula Basseley Nakoula?

O trailer foi colocado no YouTube por uma conta ligada ao usuário “sambacile” – inicialmente descrito como um judeu israelense que levantou US$ 5 milhões com israelenses nos EUA para fazer o filme. Mas essa pessoa não existe.

Autoridades dos EUA agora dizem ter identificado Nakoula Basseley Nakoula, um egípcio cristão copta que vive na Califórnia e pode ser o autor do filme. Basseley, condenado por fraude em 2010 e forçado a pagar mais de US$ 790 mil em restituições, é suspeito de ter usado o pseudônimo “Sam Bacile” para esconder sua identidade. Ele nega as acusações.

O que dizem os atores?

Eles alegam que foram enganados a respeito do filme, dizendo que o projeto original não tinha nenhuma relação com o islã ou com o profeta. Segundo eles, todas as referências a Maomé e os insultos religiosos foram adicionados depois, na fase de pós-produção.

Cindy Lee Garcia, que fez uma pequena participação no filme, disse ao site Gawker.com que ela e seus colegas receberam um roteiro de um filme chamado Desert Warriors (“Guerreiros do Deserto”, em tradução livre), que seria um drama histórico ambientado no Oriente Mèdio.

A atriz confirmou ter visto Nakoula durante as gravações.

Tem algo mais acontecendo nessa polêmica sobre o filme?

Como ficou evidente depois da publicação dos charges sobre Maomé em 2006, líderes políticos e religiosos na região se utilizam desses supostos insultos ao islã para provocar manifestações públicas.

Manifestações começaram a se espalhar do Egito para outros países – inflamado talvez pela mídia local – por causa da desconfiança em relação ao Ocidente, algo que muitos grupos vêm capitalizando sobre a polêmica.

Desilusão, falta de oportunidades e ódio contra o establishment podem causar protestos em qualquer contexto.

Informações: BBC

8 COMENTÁRIOS

  1. Não vejo como clareza o interesse dos serviços nessa ação. Desde a queda de Saddam, com interesse específico da cúpula Bush, as coisas perderam o controle e certamente os EUA e Otan ganham muito mais nas conquistas dos revolucionários e militares, do que no descontrole religioso. Aliás desde as cruzadas o ocidente só perdeu com essa linha de revolta.

  2. Interessante como esse povo arabe defende maome e se unem em protesto. Nada tem feito a igreja a respeito das perseguiçoes sofridas pelos nossos irmaos nesses paises e em outros comunistas. Deveríamos botar a boca no trombone, colocar out doors e mostrar ao mundo as atrocidades feitas em nome de Alá contra os inocentes, contra a liberdade de crença e exigir um basta senao a retirada desses cristaos nestes paises.
    Quem cala, consente.

  3. Sou obrigado a concordar com vc Ebrael. Lamentavelmente temos que assistir a tudo isso, o filme levou 1 ano para ser feito e simplesmente a censura americana fez vistas grossas para dar nisso tudo ai, isso é atitude infantil de pessoas que não tem amor pelo seu semelhante, é brincar com a fé, e nosso Deus é um só e tenho certeza que o cajado dele cairá com o peso de uma bigorna na cabeça de todos que o blasfemarem e usar o seu nome em vão para dele se promoverem. Fica na paz.

  4. Quer saber? Tá na cara que isso é coisa do Mossad (Serviço Secreto de Israel) com a CIA! Armação mesmo!

    A tática é tão amadora e manjada que até eu já saquei. Montam uma provocação para que haja reação do povo fervoroso do Oriente Médio, insuflado pelos líderes comprados na região pelos americanos. O povo reage, os terroristas comprados treinados pela CIA e Mossad atacam EUA e aliados para que Washington tenha motivos para vir com aquela ladainha de Guerra ao Terror e entrar detonando um a um no Oriente Médio, como num dominó, um rolo compressor!

    Presta atenção: Líbia, Tunísia, Egito, Iêmen, Síria e, por último, Irã. Foi assim com Afeganistão e Iraque. Continuará sendo até que não sobre ninguém neutro no Oriente Médio, e todos se reúnam para a Terceira Guerra Mundial, ao lado de Rússia e China, contra os EUA e aliados da OTAN. Ah, Anticristo, por que não dás as caras de uma vez???

    • Grande Ebrael, saudades amigo..! Mano, as evidências são claras, concordo pelanmente com você, e o impressionante é que funcionou, como o fogo se alastrou tão rápido néh mesmo.. estratégicos eles não? Paz amigo !

    • Só os ingênuos não enxergam isso, irmão!

      Eles ficam de olho em nossas cuecas em aeroportos, investigam nossas vidas a partir de servidores do Google e Microsoft nos EUA, e não suspeitaram de um filme que falava de deserto e Oriente Médio, e que precisou de um ano pra ser gravado???

      Poxa, lá nos EUA a marcação é cerrada até pra vc fazer um vídeo de propaganda para loja de bugigangas. Eles fiscalizam, exigem cópias, descrição, taxas, e não caem encima de um filme gravado em estúdio?? Quanta cara-de-pau dizerem que só investigaram agora…isso porque lhes interessava, agora o Obama posa de Madalena arrependida…afff!

      Paz a nós todos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui