Padre é punido por pedir fim do celibato na Igreja católica

Padre é punido por reivindicar uma “reforma da Igreja”, que inclua o fim do celibato e o acesso da mulher ao sacerdócio, nas igrejas católicas.

Padre é punido por pedir fim do celibato na Igreja católica
Padre é punido por pedir fim do celibato na Igreja católica

A Igreja Católica austríaca sancionou pela primeira vez um dos sacerdotes que assinaram o “Chamado à Desobediência”, lançado em 28 de junho de 2011 por um grupo de eclesiásticos austríacos por iniciativa sobretudo do padre Helmut Schüller.

Tal chamado, no qual sacerdotes e laicos reivindicam uma “reforma da Igreja”, que inclua o fim do celibato e o acesso da mulher ao sacerdócio, recolheu mais de 3.100 assinaturas, segundo seus organizadores.

“A rejeição romana de uma reforma da Igreja há tempos indispensável e a inércia dos bispos não apenas nos permite, mas nos obriga, a seguir nossa consciência e agir de forma independente” da hierarquia católica, declararam no “Chamado à Desobediência”.

Sob fortes pressões do papa Bento XVI e do Vaticano, o cardeal arcebispo de Viena e presidente da conferência episcopal austríaca, Christoph Sch¶nborn, convocou em 11 de junho o decano da paróquia de Pieting, perto de Viena, e lhe pediu que retirasse seu nome do “Chamado à Desobediência” ou renunciasse às suas funções.

O decano, Peter Meidinger, preferiu se manter fiel ao chamado e, como consequência, demitiu-se do cargo, segundo a agência austríaca APA.

“Durante a entrevista, tive a convicção de que vinte anos de serviço na Igreja Católica como decano, vicário e diocesano não bastaram para conservar a confiança do arcebispo”, disse Peter Meidinger. “Diante da escolha de renunciar à minha função ou à iniciativa dos sacerdotes, me pronunciei a favor da iniciativa porque esta proposta me pareceu amoral e incompatível com minha consciência”, completou.

O porta-voz do cardeal arcebispo, Michael Prüller, confirmou a iniciativa da hieraquia católica: “a obrigação de um decano de velar para que reine a ordem em seu decanato é incompatível com um chamado à desobediência”, declarou. No entanto, disse, Peter Meidinger continua sendo sacerdote. Este “Chamado à Desobediência” teve grande repercussão não apenas na Áustria, mas também no mundo, com o apoio sobretudo do movimento católico laico Somos Igreja.

Como consequência, em 5 de abril, em sua mensagem da Quinta-feira Santa, o papa Bento XVI criticou explicitamente os sacerdotes austríacos, o que levou o cardeal arcebispo de Viena, que se reuniu duas vezes com o impulsionador da dissidência, o padre Helmut Schüller, a pedir sem sucesso a retirada do “Chamado à Desobediência”.

Informações AFP

3 COMENTÁRIOS

  1. covido p/ asirte iurdtv emuito legal faça iso nois presizanmos………

  2. ELES DEVERIÂO LER MAIS BIBLIA QUE DEUS TENHA MISERICÓRDIA DESSE POVO!!! BOM DIA…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui