Primeiro Ministro de Israel aconselha estudo bíblico nas escolas

Estudar a Bíblia é o caminho para revolução diz, Primeiro ministro de Israel

0
Primeiro Ministro de Israel aconselha estudo bíblico nas escolas
Primeiro Ministro de Israel aconselha estudo bíblico nas escolas

Primeiro Ministro de Israel aconselha estudo bíblico nas escolas – Durante uma reunião com a pauta sobre a educação escolar em Israel, Benjamin Netanyahu, propôs que alunos estudem a Bíblia, e enfatizou, para que aconteça uma revolução na educação do país, o estudo bíblico seria o caminho.

Sua declaração foi feita em uma reunião de gabinete realizada nesta terça-feira (30), dois dias antes do início do ano escolar israelense.

“Nosso objetivo é iniciar uma revolução na educação”, disse Netanyahu. “Essa revolução será baseada em duas coisas: na excelência e no sionismo [nacionalismo judaico]”.

O primeiro-ministro explica que a excelência visa permitir que todas as crianças percebam o seu potencial; e o sionismo, com base no estudo da Bíblia e no patrimônio judaico, é importante para que elas compreendam porquê os judeus estão em Israel.

“Primeiramente devemos focar no estudo da Bíblia, devemos fazer um grande esforço”, disse ele. “Este é o motivo pelo qual estamos aqui, pelo qual retornamos a este país, e pelo qual ficamos aqui.”

Além disso, Netanyahu afirma que é importante ensinar aos alunos sobre a contribuição judaica para a civilização, bem como o conhecimento histórico geral.

“O conhecimento é uma palavra crítica. Queremos dar isso a cada criança em Israel — judeus e não-judeus, religiosos e seculares. Esta é a base do novo mundo, e a base de Israel como uma forte nação no mundo”, disse ele.

Religião em Israel

De acordo com a pesquisa realizada em 2011 pelo Instituto Central de Estatísticas de Israel, 75,3% da população total do país é constituída por judeus (5.837.000). Fora estes, 20,5% são seguidores do Islã (1.587.000) e as demais religiões somam 4,2% da população (322.000 pessoas).

Diferentemente do que ocorre em outros países, os israelenses tendem a não se alinhar com um movimento de judaísmo, mas sim, a definir sua filiação religiosa por diferentes graus de prática religiosa.

Vinte e cinco por cento dos judeus israelenses se definem como “não-religiosos”; 42% como “seculares” (observando apenas as principais datas sagradas); 13% como “religiosos-tradicionalistas” (cumprindo apenas alguns mandamentos religiosos); 12% como “religiosos” (seguindo a maioria das leis e celebrando as datas religiosas) e 8% dos judeus israelenses se definiram como “haredim” (ortodoxos).

Além disso, 65% dos judeus de Israel declaram acreditar em Deus e outros 85% participam das celebrações anuais do Pessach (Páscoa judaica). No entanto, outras fontes indicam que entre 15% e 37% dos israelenses identificam-se como agnósticos ou ateus.

Deixe uma resposta