Sofrer por Cristo é estar no caminho certo, diz Cristão que foi preso na Indonésia

3
Sofrer por Cristo é estar no caminho certo, diz Cristão
Sofrer por Cristo é estar no caminho certo, diz Cristão

Sofrer por Cristo é estar no caminho certo- Conheça a história de um cristão que foi preso na Indonésia, por se converter e aceitar Jesus Cristo e nos momentos mais difíceis, disse que “sofrer por Cristo é estar no caminho certo“.

Na Indonésia, a perseguição aos cristãos ex-muçulmanos vem de todos os lados: da mesquita e sociedade, e até da própria família. A Constituição do país garante a liberdade de religião, mas a realidade não se alinha com as leis. A conversão ao cristianismo é considerada blasfêmia contra o islã. E isso é contra a lei.

*Rudi e sua esposa, Alia*, possuem uma pequena casa e vivem uma vida simples. “Nossa casa não é grande, mas estamos felizes aqui. Nesta cidade, as crianças podem ir à escola sem medo de serem rejeitadas. Elas podem ser quem realmente são”, diz Alia. Seu filho mais velho costumava ser ridicularizado na escola após a conversão de seus pais. A filha do casal, Marina*, lembra como era a vida quando seu pai foi preso. Na época, eles tinham que se deslocar de um lugar para outro para se manterem seguros. “Aqueles tempos eram difíceis. Eu sentia como se nós não pertencêssemos a lugar algum. Eu não tinha amigos, nem casa ou escola”, conta ela.

Preso por “Falsos Ensinamentos”

Rudi e seu irmão foram enviados para a prisão em agosto de 2013, após a sociedade ter descoberto que um adolescente da família fora batizado em uma reunião de cristãos ex-muçulmanos. Os vizinhos começaram a questionar a fé da família, o que piorou com o fato de Rudi ter sido um antigo estudioso muçulmano e filho de um famoso líder muçulmano no Oeste de Java. Os moradores acusaram Rudi de blasfemar e processaram-no. Mais tarde, ele e o irmão foram condenados a três anos de prisão por insultar o islã e espalharem falsos ensinamentos.

A Portas Abertas tem ajudado *Rudi, seu irmão e muitos outros com apoio jurídico durante os julgamentos e ajuda financeira para suas famílias. As atividades de evangelismo também continuam sendo sustentadas. “A provação me permitiu experimentar um pouco do que Jesus passou. Eu sou grato por isso. O fato de eu ter sofrido por Cristo significa que estou no caminho certo”, afirma ele. Hoje, quase dois anos desde que saíram da prisão, Rudi já compartilhou o evangelho com mais de 100 muçulmanos. Apesar de sua saúde debilitada e dificuldades de deslocamento da casa atual para a cidade natal, o desejo de pregar o evangelho continua acesso em seu coração. Em suas orações, apresente Rudi, seu irmão, sua família e tantos outros que são pressionados por não negar a Jesus.

*Nomes alterados por motivos de segurança.
Fonte: Portas abertas

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta