Pastor Everaldo diz se for eleito irá privatizar Petrobras

1
Pastor Everaldo diz se for eleito irá privatizar Petrobras
Pastor Everaldo diz se for eleito irá privatizar Petrobras

Pastor Everaldo diz se for eleito irá privatizar Petrobras – O Pastor Everaldo candidato do PSC à Presidência da República, afirmou nesta terça-feira (19), que, se eleito, vai privatizar a Petrobras em entrevista ao vivo ao Jornal Nacional.

Segundo ele, a empresa é um “foco de corrupção e tem uma dívida astronômica”.

“Eu vou privatizar a Petrobras. A Petrobras hoje, uma empresa que foi orgulho nacional, hoje é um foco de corrupção e uma dívida astronômica de mais de R$ 300 bilhões. Então, eu vou privatizar. O petróleo é nosso, mas a Petrobras hoje não é nossa”, declarou.

O candidato disse que transferirá à iniciativa privada “tudo o que for possível”, em referência às empresas estatais, para alocar os recursos na saúde, educação e segurança pública. “Eu vou fazer corte na carne. Defendo um Estado mínimo. Vou reduzir o número de ministérios de 39 para 20”, disse. Ele disse, porém, que não vai privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica, que “representam a segurança do sistema financeiro”.

Ele também prometeu isentar do pagamento de imposto de renda todos os trabalhadores que ganham até R$ 5 mil por mês. Atualmente, estão isentos do pagamento do IR os que ganham até R$ 2.138 mensais. O dinheiro dos impostos é o que financia as ações do governo.

O presidenciável foi indagado sobre a inexperiência em cargos públicos e se os problemas brasileiros não seriam complexos demais para um principiante.

O candidato respondeu dizendo que aprendeu na vida a trabalhar em equipe. “Fui servente de pedreiro. Se preciso pintar uma parede , chamo um pintor”, declarou. Segundo ele, é possível governar com “os melhores quadros”, independentemente do partido ao qual pertencem.

Acrescentou que inexperiência não o assusta “nem um pouco” e negou postura voluntarista. “Eu acredito que a diferença do Estado para a iniciativa privada é só que o Estado hoje não trabalha com meritocracia e eu vou empreender isso aí no governo”.

Patrícia Poeta perguntou se qualquer pessoa poderia exercer a Presidência da República. “Eu acredito que qualquer pessoa que se diponha a ser presidente da República e acredite, que trabalhe… Ninguém faz nada sozinho, só se trabalha em equipe. Eu acredito desta maneira”, afirmou.

Ideologia, toma-lá-dá-cá, propostas
Em outra parte da entrevista, William Bonner lembrou do apoio do candidato ao trabalhismo, que defende uma presença forte do Estado na economia, em oposição ao programa de governo do PSC, que defende o liberalismo clássico, que prega um Estado mínimo, incluindo menos regulamentação e flexibilização das leis trabalhistas.

“Essa sua defesa do liberalismo é uma defesa sincera ou é uma conveniência eleitoral?”, questionou Bonner.

O candidato respondeu que o discurso de esquerda sempre o cativou pela origem pobre. “Para mim, essa era uma proposta interessante e acreditei o tempo todo que ela era a melhor. Mas no último governo, da atual presidente, eu vi que foi estabelecido um aparelhamento do Estado. O Estado se agigantou de tal maneira que realmente contrariava os princípios que eu acreditava do empreendedorismo, da iniciativa privada. Então, hoje o governo está sufocando, quer tomar conta de tudo”, afirmou.

Patrícia Poeta disse que há registros de que ele reclamou de o PSC não ter sido contemplado com ministérios no governo ao passo que o PCdoB, que elegeu uma bancada menor de deputados, tinha um ministério. A jornalista indagou se não tratava a participação no governo como um “toma-lá-dá-cá”.

“Nós elegemos mais que o PCdoB. Nós, é natural que esperávamos um espaço maior no governo. Não é um toma-lá-dá-cá. Ficamos decepcionados pela maneira como foi formado o governo”, disse.

Ao final, o candidato do PSC reafirmou ter compromisso “em defesa da vida do ser humano desde a sua concepção”, disse que, para ele, casamento “é homem e mulher” e que é contra a legalização das drogas. Prometeu criar o Ministério da Segurança Pública. “Hoje o cidadão de bem está preso dentro de casa e o bandido está solto na rua. Vou inverter essa lógica e botar ordem na casa”, afirmou.

Veja a íntegra da entrevista em “Pastor Everaldo é entrevistado no Jornal Nacional“.

Informações: JN / Portal G1

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta