Porque Isso Não é o Fim do Mundo

2
Porque Isso Não é o Fim do Mundo
Porque Isso Não é o Fim do Mundo

Porque Isso Não é o Fim do Mundo. Quando os cristãos ouvem a expressão “fim do mundo”, a maioria assume que é uma referência a um grande evento profético do fim do tempo tal como: Armagedom, a Segunda Vinda de Cristo, ou a inauguração dos novos céus e nova terra.

Na verdade, a expressão “fim do mundo”, significando o fim do mundo físico, não é encontrada na Bíblia. O Salmo 19:4, por exemplo, não se refere ao “fim do mundo”, mas em seu contexto é uma descrição geográfica. “Sua voz saiu por toda a terra, e as suas declarações até o fim do mundo”. O mesmo é verdadeiro para o seu uso no Novo Testamento (Atos 13:47; Rm 10:18.).

O “fim do mundo” aparece várias vezes na tradução King James da Bíblia. A palavra grega kosmos, palavra esta que se esperaria encontrar na tradução como “fim do mundo” [mundo físico], não é utilizada nas passagens. As traduções modernas não traduzem as passagens como o “fim do mundo”, porque a palavra grega usada é aion e não kosmos. A Nova tradução King James consertou o erro de tradução da KJV original ao traduzir aion como “idade” e não “mundo” (Mateus 13:39, 40, 49; 24:3; 28:20;. Hb 9:26). Aion refere-se a um período de tempo, não ao mundo físico (1 Coríntios 10:11;. Hebreus 9:26). [1]

Pedro escreve do ponto de vista de sua época que “o fim de todas as coisas está próximo” (1 Pedro 4:7; cf. 1:20). Isso não pode ser uma declaração de que o fim do universo físico estava prestes a acontecer. Em primeira mão o que quer que isso signifique, tal acontecimento estava perto de Pedro e para aqueles a quem ele dirigiu a sua carta. Jay E. Adams oferece um comentário útil sobre a passagem, tendo em conta o seu contexto histórico e teológico:

“A carta de 1ª Pedro foi escrita antes de 70 d.C. (ano em que a destruição de Jerusalém ocorreu)…. A perseguição (e martírio) que estes cristãos (em grande parte) judeus tinham experimentado até agora resultou principalmente de judeus não convertidos (na verdade, seus leitores tinham encontrado refúgio entre os gentios como estrangeiros residentes)… e refere-se às provações que sofreram os cristãos que haviam fugido da Palestina sob ataque de seus companheiros judeus não convertidos. O fim de todas as coisas (que os tinha trazido sobre este exílio) estava próximo.

Isto em seis ou sete anos a partir do momento da escrita, ocorreu a queda de Jerusalém, com todas as suas histórias trágicas, como previsto no livro do Apocalipse e no Sermão do Monte sobre a qual a 1ª parte do mesmo teria lugar. Tito e Vespasiano acabariam com a velha ordem de uma vez por todas. Todas as forças que levaram à perseguição e exílio dos cristãos na Ásia Menor, o Templo e suas cerimônias (desatualizadas pela morte de Cristo), o farisaísmo (com sua distorção da lei do Antigo Testamento em um sistema de obras de justiça) e da postura política dos judeus da Palestina em direção a Roma, seriam destruídos. Os exércitos romanos varreriam a oposição judaica da face da terra. Aqueles que sobreviveram ao holocausto do ano 70 d.C. teriam que ser dispersos por todo o mundo mediterrâneo. “Então”, diz Pedro, “seguramente, o fim está próximo”. O fim total da ordem do Antigo Testamento (já extinta pela cruz e o túmulo vazio) estava prestes a ocorrer. [2]

Linguagem semelhante é usada pelo escritor aos Hebreus, onde ele descreve sua época como “a consumação dos séculos”, um momento em que Jesus se “manifestou para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo” (Hb 9:26). O aparecimento de Jesus na Terra como “o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29) coincide com a consumação dos séculos, uma realidade do primeiro século. Na verdade, o escritor aos Hebreus abre sua epístola com a alegação de que ele estava vivendo “nestes últimos dias” por causa da primeira vinda de Cristo ao mundo (Hb 1:2). O Templo tornou-se encarnado (João 1:14) personalizado (2:13-22). Pedro usa uma linguagem similar, quando ele escreve: “Pois [Jesus] foi conhecido antes da fundação do mundo [kosmos], mas tem aparecido nestes últimos tempos por amor de vós” (1 Pedro 1:20). Paulo diz a seu público de Corinto: “os fins dos séculos têm chegado” (1 Co 10:11).

O fim da idade foi o fim real do mundo, o mundo da velha aliança do judaísmo, e a inauguração de uma nova era em que Deus não fala mais em tipos e sombras, mas “em Seu Filho” (Hb 1:2). Houve tal transferência dramática de uma era para a próxima que Pedro descreveu-a como “o fim de todas as coisas”.

__________________
Notas:

[1]. Kosmos é usado em Hebreus 9:26 e é traduzido como a “fundação do mundo”, isto é, o mundo físico. Parece estranho que os tradutores da NVI [Nova Versão Internacional] teriam traduzido duas palavras gregas diferentes no mesmo versículo como “mundo”.

[2]. Jay E. Adams, confiar e obedecer: Um Comentário Prático de Primeira Pedro (Phillipsburg, NJ: Presbiteriana e Reformada, 1978), 129-130. Adam Clarke (1762-1832) escreve o seguinte em seu comentário sobre 1 Pedro 4:7: “Pedro diz: O fim de todas as coisas está próximo, e isso que ele falou quando Deus havia determinado a destruir o povo judeu e seu governo por um dos julgamentos mais terríveis que já caiu sobre qualquer nação ou povo. Em poucos anos depois de São Pedro escrever esta epístola, […], Jerusalém foi destruída pelos romanos. Sobre esta destruição, que veio literalmente em seguida, à mão, o apóstolo alude quando diz, “o fim” de todas as coisas está próximo, o fim do templo, o fim do sacerdócio levítico, o fim de toda a economia judaica, estava então perto”. (Comentário de Clarke em O Novo Testamento de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, 2 vols [New York: Carlton & Porter, 1810]., 2:864).

Veja também: Quando acontecerá o fim do mundo?


Revista Cristã Última Chamada
Por Gary DeMar
Tradução e adaptação textual por César Francisco Raymundo

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta