Igreja Católica confirma a expulsão de cerca de 400 religiosos acusados de pedofilia

3
Igreja Católica confirma a expulsão de cerca de 400 religiosos acusados de pedofilia
Igreja Católica confirma a expulsão de cerca de 400 religiosos acusados de pedofilia

O Vaticano confirmou neste sábado, a expulsão de cerca de 400 religiosos do sacerdócio, acusados de pedofilia durante o pontificado de Bento XVI, após um aumento das denúncias por abusos sexuais contra crianças.

Em 2012, foram por volta de 100, enquanto em 2011 foram cerca de 300. Alguns sofreram procedimentos disciplinares, outros fizeram um pedido, declarou o porta-voz, Federico Lombardi.

Para a Rede de Sobreviventes de Pessoas Abusadas por Padres (SNAP por sua sigla em inglês), “o Papa tem que começar a expulsar do sacerdócio os eclesiásticos que acobertam crimes sexuais, não só aqueles que os cometem. Enquanto isso não acontecer, as coisas não mudarão muito”, acrescentou em um comunicado. “A expulsão do sacerdócio é mais uma estratégia de defesa do que um modo de proteger as crianças”, acrescentou.

Para a SNAP, “as autoridades católicas tinham que ajudar a garantir que a justiça penal processasse os eclesiásticos que cometem abusos contra crianças”. Na quinta-feira, o Comitê da ONU para os Direitos das Crianças pediu à Igreja Católica que atue fortemente contra os abusos sexuais dos quais menores de idade são vítimas, em um enorme escândalo em relação ao qual o papa Francisco, que substituiu Bento XVI este ano, expressou sua “vergonha”.

Pela primeira vez, os representantes do Vaticano responderam a perguntas relacionadas aos abusos cometidos contra menores de idade por religiosos católicos formuladas pelos especialistas desse comitê, que vai divulgar suas conclusões no dia 5 de fevereiro. Durante mais de uma década, a Igreja Católica foi sacudida por uma avalanche de escândalos de abusos sexuais cometidos por religiosos contra crianças, que começou na Irlanda e se estendeu para Alemanha, Estados Unidos e vários países latino-americanos, como Brasil e México.

Os abusos foram acobertados pelos superiores dos acusados, que, em muitos casos, os transferiram para outras paróquias, em vez de denunciá-los à polícia. “A Santa Sé se dá conta de que é necessário fazer algumas coisas de outro modo”, declarou durante esse encontro Charles Scicluna, ex-promotor do Vaticano para casos de abusos sexuais. Em 2005, Bento XVI havia prometido afastar todos os que acobertassem abusos sexuais dentro da Igreja, mas não conseguiu.

Em dezembro, a Santa Sé se negou a responder a um questionário enviado em julho pelo comitê da ONU, sobre cerca de 4.000 investigações eclesiásticas atualmente analisadas pela Congregação para a Doutrina da Fé, que não revela seus trabalhos.

Muitos bispos tendem a não colaborar com a justiça local, como exige o Papa, e muitas conferências episcopais não traçaram as linhas da luta contra a pedofilia. A Igreja segue recebendo denúncias de abusos cometidos por padres, principalmente nas décadas de 60, 70 e 80.

Informações: AFP – Agence France-Presse / EM

3 COMENTÁRIOS

  1. O nosso querido Papa, como sucessor do Apóstolo Pedro, precisa fazer valer o que está escrito na bíblia em Atos 5:12 a 16. Que o Senhor Jesus seja com todos nós.

  2. Enquanto a igreja a católica adorar as criaturas e não o criador (Lucas 4:8), a coisa só vai de mal a pior. O Papa atual precisa acabar com a idolatria (Isaías 44:9 e Salmos 115:4) e servir ao único intermediário entre Deus e o homem (Timóteo 2:5) que é JESUS CRISTO.

  3. Sou católica, e como pecadora que também sou, concordo que precisamos responder por nossos atos, nada fica encoberto, Deus é justo, e ainda mais por nós que levamos o nome de Cristo, que não é brincadeira.

Deixe uma resposta