Angola proíbe o Islã e determina a demolição de mesquitas

5
Angola proíbe o Islã e determina a demolição de mesquitas
Angola proíbe o Islã e determina a demolição de mesquitas

As autoridades de Angola proibiram o Islã e começaram a fechar mesquitas, em um esforço para frear a propagação do “extremismo” muçulmano, segundo meios de comunicação africanos.

De acordo com a ministra angolana da Cultura, Rosa Cruz e Silva, “o processo de legalização do Islã não foi aprovado pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos de Angola, e portanto as mesquitas em todo o país serão fechadas e demolidas”.

Além disso, os angolanos decidiram proibir dezenas de outras religiões e seitas que, segundo o governo, atentam contra a cultura da nação, cuja religião majoritária é o Cristianismo (praticado por 95% da população).

Por sua vez, o jornal angolano O País informa que cerca de 60 mesquitas já foram fechadas, enquanto os representantes da comunidade muçulmana denunciam que estas medidas foram tomadas sem consulta e que eles não se constituem em uma pequena seita.

Recentemente foram destruídas mesquitas construídas de forma ilegal, o que levou a protestos por parte da comunidade islâmica angolana, na sua maioria provenientes do Líbano e de países da África Ocidental.

Não obstante, as autoridades de Luanda resumiram que “os muçulmanos radicais não são bem-vindos no país e que o governo angolano não está preparado para legalizar a presença de mesquitas em Angola”, nação que se converteu na primeira do mundo a proibir o Islã.

Com informações Russia Today