Igreja Bola de Neve em São Paulo é fechada por motivação política, diz jornal

0
Igreja Bola de Neve em São Paulo é fechada por motivação política, diz jornal
Igreja Bola de Neve em São Paulo é fechada por motivação política, diz jornal

A Igreja Bola de Neve, com sede no bairro da Pompeia, em São Paulo (SP),  foi fechada na tarde da última quarta-feira, 09/10.

A intervenção da Igreja foi feita pela fiscalização da Subprefeitura da Lapa, duas horas após o vereador Eduardo Tuma (PSDB) – também presbítero desta igreja,  retirar a proposta de aumento do IPTU da gestão do prefeito Fernando Haddad da pauta da Câmara Municipal. Tuma também havia pedido vistas ao projeto que revisa o atual Plano Diretor.

As atitudes do vereador geraram discussões com o líder do governo Arselino Tatto (PT), que queria, não somente manter a proposta do aumento, como a do Plano Diretor, que está em trâmite nas comissões da Casa.

“Vemos aqui que temos a mais velha prática do chavismo ou do Regime Absolutista, onde ninguém pode discordar de um déspota. Fui vítima de retaliação. Até o evento que eu vou fazer na igreja com 3 mil famílias no sábado, e que já havia sido autorizado pela Prefeitura, agora foi proibido”, argumentou Tuma.

A bancada do PSDB ameaça entrar com representação contra o prefeito Fernando Haddad, alegando arbitrariedade por parte do partido da situação.

“Isso é um escândalo. É uma prática ditatorial como nunca vimos nesta cidade”, afirmou Floriano Pesaro, líder do PSDB, em sessão tumultuada que ocorre agora no Palácio Anchieta.

As acusações feitas pelos tucanos foram rebatidas pelos líder dos petistas, na bancada do PT, vereador Alfredinho.

“Já conversei com o João (Antonio, secretário de Relações Governamentais) e não aconteceu nada disso. Era uma fiscalização que já estava programado. Ele fez uma suposição que não tem como provar. O governo jamais faria isso”, disse.

Tuma é líder da Frente Parlamentar Cristã da Câmara, que reúne 17 dos 55 vereadores paulistanos e recebeu apoio de outros líderes evangélicos de base governista, que expressaram sua revolta com a interdição da Igreja Bola de Neve. Jean Madeira (PRB), David Soares e Sandra Tadeu (DEM) também questionariam o governo sobre a fiscalização.

Com informações do Estadão / Portal Guiame

Deixe uma resposta