Católicos denunciam destruição de igrejas católicas na Síria por rebeldes

Católicos denunciam destruição de igrejas católicas na Síria por rebeldes
Católicos denunciam destruição de igrejas católicas na Síria por rebeldes

Grupo de rebeldes ligado à al-Qaeda teria arrancado cruzes e imagens e ateado fogo em igrejas cristãs católicas.

O cenário parece estar se tornando cada vez mais comum em igrejas cristãs na Síria, de acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos. Católicos da região afirmam que rebeldes islamistas ligados à al-Qaeda, aparentemente membros do Estado Islâmico do Iraque e o Levante (Isil), atearam fogo em uma igreja católica na cidade de Raqqa, no norte do país. Outro ataque parecido, na Igreja dos Mártires, que pertence a armênios católicos, também teria ocorrido esta semana.

Segundo a ONG, a cruz posicionada no alto da torre da igreja foi destruída e uma bandeira do Isil foi colocada no lugar. Acredita-se que o grupo tenha sido responsável pelo sequestro do padre italiano Paolo Dall’Oglio, que desapareceu na cidade em julho.

De acordo com uma agência de noticias armênia, a cruz foi recolocada durante a noite. A Igreja dos Mártires fica a 160 quilômetros de Aleppo. Extremistas também quebraram as paredes da igreja ortodoxa Sayida al-Bshara, onde todas as cruzes e imagens foram arrancadas, antes de um incêndio provocado pelos jihadistas. Não houve feridos nos ataques.

Veja também: Cristãos na Síria estão sendo decapitados por se recusar a se converterem ao islã

A ONG emitiu um comunicado denunciando os atos contra as igrejas em Raqqa e pedindo respeito religioso. Recentemente, o grupo Missionário Jesuíta procurou líderes do Estado Islâmico do Iraque e o Levante em sua sede, para tentar negociar a libertação de alguns reféns e conseguir uma trégua entre rebeldes islâmicos e curdos locais.

“Nós, do Observatório Sírio para os Direitos Humanos condenamos veementemente tais ações sectárias que contradizem as demandas do povo sírio em relação à justiça, liberdade, democracia e igualdade.”

Com informações o Globo

COMPARTILHAR