Reforma política não valerá para as eleições do ano que vem, diz Vaccarezza

Reforma política não valerá para as eleições do ano que vem, diz Vaccarezza

Reforma política não valerá para as eleições do ano que vem, diz Vaccarezza
Reforma política não valerá para as eleições do ano que vem, diz Vaccarezza

Cândido Vaccarezza , afirmou nesta quarta-feira (17) que as propostas que forem aprovadas pelo colegiado não valerão para as eleições de 2014.  Segundo o deputado do PT e presidente do grupo de trabalho formado na Câmara para propor uma reforma política, essa media só será aplicada na eleição de 2018.

Segundo ele, “Nenhuma decisão desse grupo daqui vai valer para as eleições de 2014. Todas as decisões que aqui tomarmos valerão para 2018. Se vai valer em 2016 nós vamos discutir. Ao discutir um ou dois temas poderemos fazer uma experiência nas eleições municipais e ver se continua [na eleição presidencial]”..

O deputado foi oficializado como coordenador do grupo de trabalho, que terá 90 dias para elaborar o projeto que pode mexer nas campanhas, na maneira de votar, na forma de representação e na atuação política dos eleitos dentro do Congresso.

Para Vaccarezza, a reforma teria que ser aprovada “a toque de caixa” para valer no ano que vem. “Estamos discutindo aqui a reforma política que, portanto, não valerá para as eleições de 2014, porque iríamos aprovar a toque de caixa.”

A declaração do petista ocorreu após alguns integrantes do grupo de trabalho discursarem contra a aplicação das regras nas próximas eleições. O deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ) argumentou que os parlamentares poderão aprovar “regras casuísticas” se a reforma valer para 2014. “Temos que garantir que as mudanças só vão ocorrer a partir de 2016”, disse o deputado do PV.

Após Vaccarezza anunciar que as sugestões formuladas pelo grupo de trabalho deverão ter validade apenas para 2018, o deputado Sandro Alex (PPS-PR) se queixou da eventual demora para implantar a reforma política. “Tudo bem que não valha para 2014, mas também não precisa ser só para 2018”, reclamou.

Fonte: G1


COMPARTILHAR