Governo Brasileiro nega dar mais dinheiro para visita do Papa ao Brasil

10
Governo Brasileiro nega dar mais dinheiro para visita do Papa ao Brasil
Governo Brasileiro nega dar mais dinheiro para visita do Papa ao Brasil

Governo Brasileiro nega dar mais dinheiro para visita do Papa ao Brasil

Após serem informadas de que o Vaticano enfrenta um déficit de R$ 150 milhões nos gastos com a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), as três esferas do governo brasileiro se uniram para dizer não a novo pedido de ajuda de R$ 90 milhões feito pela Santa Sé.

Segundo fontes do governo federal, a Igreja queria que União, o governo do estado e a prefeitura dessem R$ 30 milhões cada para ajudá-la a fechar a conta do encontro que contará com a presença do Papa Francisco no Rio, entre 23 e 28 deste mês. Reunidos na última sexta-feira, no Rio, com representantes do Vaticano, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes anunciaram que não dariam o socorro.

O governo do estado confirmou a reunião, mas não informou o teor do encontro. Oficialmente, a prefeitura diz desconhecer a existência da reunião. A Arquidiocese do Rio voltou a negar, nesta quarta-feira (3), que haja qualquer tipo de contas em aberto.

O governo argumentou que já está fazendo altos investimentos na jornada e que não seria possível ampliar os recursos. Só o Executivo federal gastará R$ 111,5 milhões com os chamados investimentos indiretos. Desses, R$ 15 milhões vão para a contratação de bombeiros, policiais civis e militares. Parte desses recursos (R$ 69 milhões) compõe um pacote da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE), que também foi aproveitado durante a Copa das Confederações.

Veja também: Visita do papa ao Brasil custará R$ 118 milhões aos cofres públicos

Estado arcará com transporte

Segundo fontes do governo, o Palácio Guanabara gastará pelo menos R$ 60 milhões para fornecer um cartão integração para todos os inscritos na jornada usarem livremente metrô, trem e barcas. Mas, em comunicado oficial, o governo nega a informação e garante que sua contribuição não estourará o limite acordado inicialmente, de R$ 26 milhões. O estado se comprometeu a custear o transporte de peregrinos e voluntários no sistema de trens da SuperVia e do metrô, o evento de despedida do Papa na Base Aérea do Galeão, além de estacionamentos para os ônibus que trarão os jovens peregrinos e os bolsões de apoio para a chegada deles. Isso deverá custar cerca de R$ 5 milhões. Em nota, o governo afirmou ainda que “os custos de transporte serão definidos a partir do número de usuários e os dos bolsões e dos eventos que ainda estão sendo orçados”. O transporte em ônibus não será custeado por nenhuma das esferas governamentais.

Já a prefeitura disse que o orçamento municipal para o evento será de R$ 26 milhões, e que não há previsão de exceder este valor. Nele, estão incluídos investimentos em serviços, logística e planejamento, como a urbanização das vias de acesso ao Campus Fidei, limpeza e dragagem do Rio Piraquê, construção de passarelas para os peregrinos, operações de trânsito e mobilidade em locais onde o Papa estará ou passará de papa móvel, além do uso do efetivo da Guarda Municipal para limpeza urbana e das intervenções urbanísticas em Guaratiba.

Até agora, há cerca de 320 mil peregrinos inscritos. A organização da Jornada Mundial da Juventude estima que o custo total do evento orbite entre R$ 320 e R$ 350 milhões, e que 70% deste valor deverão ser cobertos pelas contribuições feitas por peregrinos, que variam de R$ 106 a R$ 600. Em um cenário hipotético, caso os 320 mil peregrinos desembolsassem o valor de inscrição mais alto, de R$ 600, a soma final chegaria a R$ 192 milhões, o equivalente a 60% do custo total do evento. No cenário menos favorável, onde os 320 mil peregrinos pagariam a taxa mais baixa, no valor de R$ 106, o montante ficaria em R$ 34 milhões, ou 10,5% do custo total da JMJ. Segundo os organizadores, o custo é viabilizado também por meio de doações espontâneas, produtos licenciados que geram royalties para o evento, patrocínios e parcerias.

Patrocínio de R$ 20 milhões

Na quarta-feira, a Arquidiocese informou ainda que, até o momento, já foram injetados R$ 20 milhões no evento, em que estão incluídos a contribuição de patrocinadores e eventos de arrecadação em prol da Jornada. Bradesco, Itaú, Santander, Ferrero, Estácio, Nestlé, Mc Donald’s e as agências TAM Viagens e Havas são os patrocinadores oficiais. A assessoria da JMJ não detalhou a participação de cada um deles, alegando “cláusula contratual de confidencialidade”.

De acordo com fontes da organização do evento, o governo brasileiro tem feito um esforço para não gastar muito, mas, apesar do déficit, o Vaticano não discute formas de enxugar a programação. Para poupar, o governo federal discute fazer alterações na programação inicial da ida do Papa a Aparecida, em São Paulo, onde haverá uma missa na Basílica de Nossa Senhora Aparecida. O Papa Francisco deve fazer uma parte da viagem de helicóptero e a outra em um dos aviões da presidente Dilma Rousseff. O papamóvel, que iria de Hércules do Rio para Aparecida, deve ser transportado por via terrestre, com a ajuda da Polícia Rodoviária Federal.

Com relação às manifestações que levaram mais de um milhão de pessoas às ruas de todo o país, alguns religiosos brasileiros mostram-se preocupados. O monsenhor Stanislaw Rylko, Presidente do Conselhos dos Leigos, foi um dos que procuraram o governo manifestando preocupação. Ainda assim, organizadores da Jornada garantem que não houve alterações na programação, a não ser a discussão de rotas alternativas para o Papa. Bispos brasileiros foram ao Vaticano, na última semana, para informar ao papa sobre o desenrolar dos protestos no Brasil.

Informações: O Globo / Verdade Gospel

10 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite,olha respeito qualquer credo ou crença mais nao aceito nem concordo com gasto de dinheiro publico o nosso dinheirinho suado de nossos impostos pra pagar visita de papa ao brasil e nem de reforma de igreja ,porque os evangelicos quando fazem suas reformas em igreijas ou eventos nao usam dinheiro publicos ,os dinheiros gastos com papa devem ser investido no pobre que fica no corredor do hospital pq nao tem leito pra ele ,pensen nisso o papa é rico ele e os fiés podem pagar suas estadias .

  2. Com relação a visita do Papa, os que são contra, digo que há remédio para DOR DE COTOVELO já disponível no mercado.
    Como relação aos possíveis crimes da Igreja (onde estavam as seitas protestantes na história??) E hoje…já temos novos bilionários no BRASIL…TODOS (EVANGÉLICOS) …que coisa…Basta o Vaticano perdir dinheiro para P EDIR Mais CEDO.

  3. Olá Mateus, discordo totalmente de voce, por favor estude com mais atenção a História, especialmente da igreja católica romana, e veja algumas das barbáries cometidas em nome de Deus, quantos crimes praticados, julgamentos e processos da santa inquisição, santo ofício, milhares de fiéis mortos em todo o mundo, pessoas foram torturadas, queimadas vivas em fogueiras, quem se negasse a seguir a fé católica, as práticas e rituais idólatras, os dogmas, eram dizimados pelo santo tribunal terreno, a pena era de morte pra quem quizesse seguir somente a TRINDADE. As pessoas eram exterminadas das mais diversas formas, APÓS isso eles SAQUEAVAM tudo que era de valor, e mandavam toda a Carga ao vaticano, ouro, tesouros, riquezas tudo levado pra roma para o papa, eu sou um ex-católico, quando descobri essas coisas saí fora imediatamente, não aguentei mais ficar na igreja, hoje graças a DEUS sou evangélico, e pode acreditar, foi a melhor coisa que houve na minha vida, leia a Bíblia e verás a verdade de Deus, Deus abençoe muito sua vida, abrç.

Deixe uma resposta