Deputado reapresenta projeto da ‘cura gay’ no plenário

0
Deputado reapresenta projeto da ‘cura gay’ no plenário
Deputado reapresenta projeto da ‘cura gay’ no plenário

Deputado reapresenta projeto da ‘cura gay’ no plenário.

Um dia depois de arquivado temporariamente pelo plenário da Câmara, o deputado Anderson Ferreira (PR-PE) reapresentou, na tarde desta quarta-feira, o projeto conhecido como “cura gay”.

O texto apresentado por Ferreira é o mesmo, de autoria de João Campos (PSDB-GO), que foi derrotado na noite de terça-feira. Ferreira foi relator do “cura gay” na Comissão de Direitos Humanos, e deu parecer favorável.

— Reapresento o projeto até para que possa ser discutido e debatido, o que é salutar. E isso não aconteceu até agora — diz Ferreira.

O deputado pernambucano afirmou que, na sua interpretação, o regimento permite a reapresentação da proposta no mesmo ano, desde que foi arquivada após uma decisão do plenário.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), havia dito que o projeto só poderia ser reapresentado ano que vem. Anderson Ferreira afirmou que se a Mesa recusar o projeto, ele entrará com recurso para que essa discussão vá ao plenário.

Na noite desta terça-feira, por votação simbólica, a Câmara aprovou em plenário o arquivamento temporário do projeto chamado de “cura gay”. Até o PSC, partido do presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Marco Feliciano (SP), encaminhou pela retirada da matéria da pauta de votações. Apenas o PSOL, como uma reação de protesto, votou contra. O projeto da ‘cura gay’ foi colocado na pauta para ser derrotado após decisão dos líderes.

Saiba mais:Projeto da cura gay é retirado de tramitação da Câmara a pedido do Autor

“Não existe ‘cura gay’. Homossexualidade não é doença”, Afirma Marco Feliciano

O autor da proposta protocolou pedido para retirada, mas regimentalmente, já que foi aprovado na Comissão de Direitos Humanos, o plenário tinha de dar aval para a retirada de pauta. A proposta derrubava trechos de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que impede profissionais de “tratarem” homossexuais.

As informações são do  O Globo

Deixe uma resposta