Pastor Marcos Pereira comparece na primeira audiência

Pastor Marcos Pereira comparece na primeira audiência
Pastor Marcos Pereira comparece na primeira audiência

Pastor Marcos Pereira comparece na primeira audiência. Pela primeira vez o pastor Marcos Pereira aparece em público para ir a sua primeira audiência no Fórum de São João do Meriti no RJ. Aparentemente mais abatido e um pouco mais magro, testemunhas pedem para depor sem a presença do pastor.

O pastor Marcos Pereira, preso preventiva no início de maio, suspeito de ter estuprado duas fiéis da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, apareceu pela primeira vez, na tarde desta segunda-feira, após sua prisão. Bem mais magro e abatido, o pastor foi levado ao Fórum de São João de Meriti para participar da primeira audiência do processo no qual responde pelos supostos estupros.

De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça, a audiência começou entre 15h30 e 16h desta segunda. Quatro testemunhas de acusação que estão sendo ouvidas pediram que o pastor não estivesse presente durante seus depoimentos. A previsão é de que sejam ouvidas seis testemunhas de acusação e oito de defesa. Cerca de 20 fiéis da igreja do pastor estão na audiência para dar apoio ao religioso.

O processo corre na 1ª Vara Criminal de São João de Meriti. O pastor é investigado em três ações diferentes: dois por estupro e um por coação no curso do processo. Dois fiéis da Assembleia de Deus dos Últimos Dias também foram presos, acusados de terem coagido uma vítima que diz ter sido estuprada pelo pastor .

Saiba mais:

Pastor Marcos Pereira foi preso acusado de estupro

Justiça nega liminares para soltar pastor Marcos Pereira, acusado de estuprar fiéis no Rio

-O coordenador do grupo AfroReggae, José Júnior, prestou depoimento à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), sobre as denúncias envolvendo o pastor Marcos Pereira, da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias. Júnior acusa o religioso de ameaçar integrantes do AfroReggae e de participar da onda de ataques cometida por traficantes, no Rio, nos anos de 2006 e 2010.

Informações: Inforgospel / Extra

COMPARTILHAR