Pastor Léo Medeiros fala sobre seu 1º CD – Por todos os lados

0

 

Pastor Léo Medeiros fala sobre seu 1º CD - Por todos os lados
Pastor Léo Medeiros fala sobre seu 1º CD – Por todos os lados

Pastor Léo Medeiros fala sobre seu 1º CD – Por todos os lados.

Em uma entrevista ao Super Gospel, Pastor e líder do ministério Reino do Filho, falou com exclusividade sobre seu primeiro CD, o pastor Léo também contou um pouco sobre sua caminhada cristã família e ministério, confira!

Supergospel – Léo Medeiros?

Léo Medeiros, 33 anos, bem casado com Edilene Medeiros, pai de duas meninas lindas, Valentina e Olívia. Pastor e líder do Ministério Reino do Filho. Com um ardente desejo no coração de espalhar as boas novas.

Supergospel – Como foi seu início na música, mais especificamente na área de louvor e adoração?

Nasci em uma família repleta de músicos e me lembro de que nossas reuniões familiares sempre aconteceram em volta de um violão e da sanfona do meu Avô. Não havia como escapar desse legado. Aos Oito anos minha mãe me colocou para estudar piano e canto, onde meu gosto pela musica foi instigado.

Me converti aos quinze anos e me lembro que naquela época aprendi a tocar duas musicas no violão “Tributo a Yehovah” e “Bom estarmos aqui” e em nossa igreja havia um grupo de louvor onde eu não tinha grandes oportunidades, mas percebi que nos cultos de escola bíblica dominical e os cultos nos lares faltavam músicos e cantores, foi onde consegui a oportunidade de ministrar.

Para muitos parecia pouco, mas para mim era uma grande oportunidade. Claro que sempre eu tocava as mesmas duas músicas (risos), mas hoje percebo e reconheço que naquele tempo de serviço não só minha vida musical estava sendo aperfeiçoada, mas também o caráter de Cristo em mim.

Daquele tempo em diante o meu chamado foi tomando forma, na medida em que eu abraçava as oportunidades que me eram dadas e graças ao apoio e cobertura dos meus pastores pais na fé, que sempre proporcionaram meu crescimento.

A grande experiência da minha vida, que determinou meu rumo ministerial, aconteceu no evento Som da Chuva em 2001.

Supergospel – Qual a visão do Ministério Reino do Filho?

O Reino do Filho possui uma visão que transcende a música. Em nosso caso, a música é apenas um meio para que possamos transferir à Igreja a mensagem que Deus tem queimado em nosso coração.

Nessa mensagem temos abordado temas como a fé, a prática das boas obras, a importância da palavra de Deus, da comunhão e da vida congregacional.

Não apenas cantamos sobre isso, não apenas pregamos sobre isso, mas temos buscado viver aquilo que anunciamos motivar outros a viverem.

Dessa forma eu definiria nossa visão.

Supergospel – O que mais marcou você durante a gravação do seu primeiro álbum – Por todos os lados?

Apesar de já ter tido algumas experiências em estúdio no passado, produzir este trabalho para mim foi como conceber o primeiro filho, e olha que já sou pai de gêmeas.

Tudo aconteceu muito rápido. Mas realmente o que mais marcou minha vida foi a manifestação de Deus a partir de uma decisão ministerial que tomei no meu coração.

Lembro-me que um dia eu e minha esposa estávamos orando em nosso quarto e decidimos assumir a responsabilidade do chamado que Deus nos fez, e em alguns dias as canções estavam surgindo, fluindo naturalmente. Pouco tempo depois, Deus estava enviando os recursos para realização das gravações.

E Isso é impactante, saber que esse disco é resultado da fé e da decisão de crer e assumir responsabilidades.

Supergospel – Qual o estilo e a sonoridade do disco?

Sempre escutei de tudo e sou apaixonado por boa musica, cresci escutando e escuto até hoje Grupo Logos, Josué Rodrigues (esse eu quero ver quem conhece), João Alexandre, Oficina G3, Switchfoot, Third Day, DC Talk, entre outros. Com tanta referência assim é difícil definir um estilo pra mim, pois “música é momento”.

Nesse disco “abandonei” por um instante a utilização do violão como meu instrumento base e abracei a utilização da guitarra. Transição difícil, pois foram 10 anos ministrando ao som do violão.

Encontrei-me com Jordan Macedo no estúdio e disse que gostaria de produzir um disco que fosse congregacional e refletisse minha visão ministerial, mas que fugisse dos padrões que já conhecemos e que abracei durante anos.

Pra quem conhece o Jordan sabe que ele é um gênio, e logo me respondeu: “vamos gravar duas guitarras, com timbres bem brasileiros, sem exagerar nos Drivers.”

O resultado é esse: Um disco com canções congregacionais e letras de impacto espiritual, com influências do pop rock nacional e com guitarras bem dosadas para agradar tanto aqueles que gostam de uma musica para meditação e adoração como aquele que gosta de um bom e velho rock and roll.

Supergospel – E quanto às canções? Como foi o processo de seleção do repertório?

O processo foi simples, mas muito delicado.

Por ser também um ministro da Palavra sempre me importei com a coerência bíblica e a originalidade das letras que escrevo. Não me preocupo em rimar “amor” com “dor” ou pegar os jargões que estão sendo cantados no momento. Música é vida e arte e não um produto forjado a ser vendido.

Sempre que prego uma palavra ou escuto algo que considero marcante, escrevo e guardo a informação.

O repertório desse disco é resultado dos últimos três anos da minha vida como pastor auxiliar.

Tudo que foi cantado no disco é o que temos recebido de Deus e ensinado as nossas ovelhas em nosso dia a dia.

Quando falamos sobre elevar os níveis de fé, ou sobre levantar e brilhar, ou sobre ser colocado de pé, é exatamente isso que estamos vivendo e clamando.

O interessante desse processo é que as pessoas se identificam facilmente com o que estão ouvindo, pois muitos se encontram na mesma condição.

Esse é o meu processo de composição e escolha.

Supergospel – Qual ou quais músicas vocês destacam neste trabalho?

Ai ficou difícil, né? É como perguntar de qual filho você gosta mais.

Cada uma tem sua particularidade, mas se tivesse que escolher, eu destacaria três:

– Promessa do Pai, por abordar um tema tão importante na vida do cristão, que é a manifestação do Espirito Santo, não como um vulto produtor de arrepios, mas como Deus, como a porção de Deus acessível aos homens.

– Me levantar e Brilhar, por ser uma canção desafiadora para nossa geração, que permanece acomodada e calada diante da missão evangelística que Jesus nos deixou em Marcos 16. “ide por todo mundo e pregai…”

– Por Todos os Lados, ultima canção composta e que se tornou tema do disco pela beleza e profundidade como descreve o cuidado de Deus sobre a vida daqueles que o aceitam como Senhor.

Supergospel – Qual(is) canção(ões) o público tem se identificado mais? E porque essa identificação ocorre?

Com certeza duas canções tem mexido com grande parte do público:

Promessa do Pai, pois como descrevi acima, a canção aborda a tão esperada promessa de Jesus, que é o derramar do Espírito Santo, o envio do consolador. Acredito que não só a profundidade da letra como o tratamento dado pelo Jordan na finalização da canção proporciona ao ouvinte um ambiente compatível com o que a letra busca transferir.

Herois da Fé é uma canção que faz um paralelo entre os heróis da fé do passado que deram suas vidas pela obra, que renunciaram a fama, o dinheiro e que naquele tempo nem eram tão populares e os heróis da fé da atualidade, que movem as massas, mas muitas vezes possuem uma fé e obras inexpressivas. Tem que ouvir pra entender. Não é uma critica a ninguém, mas um alerta a todos nós, “até mesmo eu!”

Supergospel – Você pretende investir em vídeo clipes? Como você enxerga esta ferramenta dentro do seu ministério?

Claro! Confesso que durante muito tempo fui relutante com essa questão. Talvez por não ser muito narcisista. Acho que herdei essa velha visão do termo “Adorador sem face”.

Mas sabe de uma coisa? As pessoas precisam de boas referências. O Apostolo Paulo disse: “Sejam meus imitadores como tenho imitado a Cristo”. E da mesma forma que o mundo está bombardeando diariamente as pessoas de imagens vazias, precisamos trazer e oferecer aos de Cristo e aos que O querem conhecer a imagem da vida.

Não criando um personagem daquilo que deveríamos ser, mas sendo e transparecendo.

Supergospel – Como você esta tratando sua identidade visual na web e nos meios de divulgação em geral?

Estamos iniciando esse processo agora junto com o lançamento do disco. Nosso projeto foi gravado de maneira independente e nos últimos meses por causa dos compromissos do ministério ficou muito difícil projetar e idealizar essa estratégia.

Graças a Deus conseguimos este apoio do Portal Super Gospel que tem divulgado de maneira gratuita os novos trabalhos do Brasil e, além disso, temos feito um trabalho de mídia no facebook e twitter.

Estamos nos preparando para gravação do primeiro clipe, que em breve terá lançamento anunciado.

Supergospel – Qual a sua opinião em relação a esta abertura que a mídia secular está dando para os evangélicos?

Acho válida e interessante desde que não negociemos nossos valores.

Por um lado acredito que estão reconhecendo o quão expressiva é a Igreja na terra, isso é bom, mas por outro lado temos que ter cautela de não permitir a colonização ou o engarrafamento da nossa fé.

Não podem pegar toda história da Igreja e simplificá-la em um gênero musical e a oferecer como um produto, ou mais um produto na prateleira.

Somos a noiva do Cordeiro!

Supergospel – A cada dia vemos crescer o uso de meios eletrônicos, como o Twitter, o MySpace, Orkut, Youtube, entre outros, para divulgação do trabalho. O que você acha dessas novas opções de mídia?

Vejo como ferramentas poderosas do nosso tempo e que precisam ser consideradas.

A igreja perde muito por não se contextualizar com seu tempo na história.

Os valores precisam permanecer, mas os formatos estão sempre mudando e nós precisamos nos adaptar.

Lembro-me que a uns anos atrás diziam que a internet era do Diabo e o Tio Bill o Anticristo. Meu Deus, quem será o Jobs então? (risos).

Penso que nos tempos de Jesus já existia um modelo de mídia e publicidade que funcionava, tanto é que a Bíblia nos diz que a fama de Jesus percorria por todas as cidades. Quem fazia esse trabalho?

Só uma observação sobre as ferramentas atuais. Elas são rápidas, tem vida curta assim como suas informações. O que é manchete ou top trends hoje, amanhã já não aparece mais.

Nosso desafio é lutar para que as verdades eternas não se percam no meio dessas informações.

Supergospel – Qual os seus planos para 2013?

Além da divulgação do disco meu foco principal é planejar um seminário, onde queremos trabalhar na vida da Igreja os fundamentos do Reino de Cristo.

Temos ministrado e tocado em muitos eventos esporádicos e percebemos a carência do Corpo em receber um ensinamento mais sólido e continuo, percebemos que a Igreja tem recebido mais entretenimento do que ensinamento.

Hoje quando falamos sobre fé, Espirito Santo, vida na palavra e obra social as pessoas se espantam como se estivéssemos pregando uma utopia, mas essas são questões primarias da vida cristã.

Queremos reverter isso e o Senhor tem nos direcionado a planejar este seminário.

Fora isso, nos preparar para gravar ao vivo no próximo ano.

Supergospel – Poderia deixar um recado para nossos leitores?

Deus não mudou e Ele sempre terá seus homens na terra. Se nós nos posicionamos, Ele nos usa.

Lembrando que tudo é possível ao que crê e que os sinais de Deus são para os que creem.

Deus abençoe!

Deixe aqui os seus Contatos:

Pastor Léo Medeiros / Ministério Reino do Filho
www.reinodofilho.com
reinodofilho@gmail.com
facebook.com/ministerioreinodofilho
twitter.com/reinodofilho
soudcloud.com/reinodofilho
Telefones: 31 3511-0478 31 8536-3253

Fonte: Super Gospel


Deixe uma resposta