Fundador da Igreja Maranata deixa presídio e está em prisão domiciliar

4
Fundador da Igreja Maranata deixa presídio e está em prisão domiciliar
Fundador da Igreja Maranata deixa presídio e está em prisão domiciliar

Fundador da Igreja Maranata deixa presídio e está em prisão domiciliar. O pastor Gedelti Gueiros, fundador e ex-presidente da Igreja Cristã Maranata (ICM), teve a prisão convertida em domiciliar.

Ele deixou o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Viana, nesta terça-feira (25), e foi para casa, no bairro Praia da Costa, em Vila Velha. O benefício foi concedido, com restrições, por ele ter mais de 80 anos.

Pastor e fundador da Igreja Cristã Maranata é preso no ES

Gedelti Gueiros foi detido em casa, na segunda-feira (24), por decisão judicial. A Justiça acatou a denúncia do Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) e mandou prender 10 integrantes da Igreja Maranata. De acordo com o promotor de Justiça Paulo Panaro, os membros denunciados e afastados continuavam participando da administração e praticando crimes como estelionato de forma indireta.

O advogado Fabrício Campos, que faz a defesa de Gedelti, informou que entrou com o pedido de habeas corpus ainda na segunda-feira, pedindo a revogação da prisão preventiva. “Em liminar, foi dada a prisão domiciliar até o tramite final, em virtude da idade avançada do pastor”, conta.

Entre as restrições, Gedelti está proibido de ir aos maanains – locais de encontros e reuniões dos membros da igreja -, a reuniões no Presbitério de Vila Velha e de manter contato com administradores da igreja ou testemunhas no processo. Terá ainda que entregar seu passaporte e não poderá sair da Grande Vitória.

Segundo o promotor Paulo Panaro, são as mesmas proibições feitas em março, quando o fundador da ICM também esteve em prisão domiciliar, e que teriam sido descumpridas na época. “Embora haja uma ordem judicial afastando-os da administração, os acusados continuavam praticando os mesmos atos ilícitos de forma indireta. Ficou claro que o ex-presidente da instituição continuava participando da administração, várias testemunhas prestaram depoimentos que relatavam essa participação”, falou Panaro.

O advogado Fabrício Campos nega o descumprimento. “Todas as condições foram cumpridas. Gedelti nunca saiu de casa sem autorização do juiz. Depois, a prisão foi revogada. As proibições de comparecimento a locais onde não poderia comparecer foram revogadas por prejudicar a atividade pastoral. Ele nunca violou qualquer determinação judicial”, afirma.

Presos

Além de Gedelti, o pastor Arlínio de Oliveira Rocha também está em prisão domiciliar, por problemas de saúde. Antônio Angelo Pereira dos Santos, Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira, Antonio Carlos Peixoto, Amadeu Loureiro Lopes, Jarbas Duarte Filho, Leonardo Meirelles de Alvarenga e Wallace Rozetti permanecem no Centro de Detenção provisória (CDP) de Viana. Carlos Itamar Coelho Pimenta, advogado e militar aposentado, está preso no Quartel da Polícia Militar, em Vitória.

Saiba Mais:

MP inicia as investigações de desvios de dízimos, lavagem de dinheiro pela Igreja Maranata

Cúpula da Igreja Maranata é afastada pela justiça no ES

Fiéis da Igreja Evangélica Maranata apoiam intervenção da Justiça do Espírito Santo

Informações: G1

4 COMENTÁRIOS

  1. Ao mentor do Interventor, quando a UNB, foi administrada por um Interventor, os seus atos de longe, não se compara aos praticados, pelo atual interventor da ICM, veja o parecer do juiz da 6ª Vara de Brasília, para destituir um interventor em menos de uma semana.
    O juiz Aiston Henrique de Sousa justificou a destituição por ter considerada precipitada a atuação de Fróes como interventor. Ele tomou posse na segunda-feira, mas no sábado anterior pediu ao MP que convocasse a polícia para vigiar as dependências da instituição.
    A Finatec é uma fundação ligada à Universidade de Brasília (UnB). A instituição sofreu intervenção por supostamente fazer gastos incompatíveis com a atividade científica. Teria gasto, por exemplo, R$ 470 mil para comprar carro de luxo e decorar o apartamento do reitor da Universidade de Brasília (UnB), Timothy Mulholland.
    O magistrado também considerou inadequada a decisão de Fróes de dispensar 12 gerentes da Finatec do trabalho até o dia 27 de março, sob o argumento de que eles eram ligados à administração anterior. “A prudência manda que a administração judicial se dê de forma discreta, sem alarde de modo a não interferir no normal funcionamento da entidade sob administração, sempre observando o norte da medida. Se não haviam indícios claro da prática de crime, como ocultação das provas ou desvio de patrimônio, não havia necessidade de invasão policial”, explica o juiz em sua decisão. Na terça-feira, os cinco diretores afastados da Finatec haviam solicitado na Justiça a destituição de Fróes no cargo.

    A decisão de destituir Fróes do cargo foi tomada pelo juiz da 6ª Vara depois de ter colhido depoimento do interventor, anteontem. Além das medidas consideradas equivocadas tomadas no curto tempo em que esteve à frente da Finatec.
    Aquém interessa a permanecia do atual Interventor da ICM.

  2. nós membros da Igreja Cristã Maranata, não admitiremos que um homem que estava desligado à 10 anos por motivos de má conduta assuma uma posição hierárquica tomando controle na liturgia eclesiástica da igreja, e tudo isto devido à uma decisão judicial duvidosa que fere os parâmetros da Constituição Brasileira de liberdade de expressão e religiosa…NÓS CREMOS NA JUSTIÇA E NA INTEGRIDADE NA QUAL TEÊM SIDO OS PILARES DE NOSSOS ENSINAMENTOS E SABEMOS QUE NESTA PELEJA O SENHOR JESUS ESTÁ CONOSCO,POIS TODOS SÃO INOCENTES ATÉ QUE SE PROVE O CONTRÁRIO…ENFIM NÃO IREMOS NOS CALAR!!!

    • vamos orar pra que este homem saia do poder o mais depressa possível e o nome do Senhor seja glorificado

Deixe uma resposta