Cristãos iranianos sofrem perseguições e acusações sistemáticas

1
Cristãos iranianos sofrem perseguições e acusações sistemáticas
Cristãos iranianos sofrem perseguições e acusações sistemáticas

Cristãos iranianos sofrem perseguições e acusações sistemáticas. O tratamento da minoria cristã no Irã tem estado sob análise nos últimos meses com alguns vereditos condenatórios a respeito do histórico de direitos humanos do país.

Relatos do Foreign & Commonwealth Office (FCO) do Reino Unido e da Campanha Internacional pelos Direitos Humanos no Irã (CIDHI), sediada em Nova Iorque, citam evidência de “perseguição e acusação sistemáticas” de protestantes e cristãos convertidos, como parte de uma ampla violação das leis internacionais.

Irã está sob crescente pressão internacional para melhorar seu histórico de direitos humanos ou enfrentar contínuas sanções –sanções estas que o CIDHI afirma que estão tendo impacto no bem-estar do povo iraniano.

No seu relatório de abril, “Uma Crise Crescente: O Impacto das Sanções e da Política do Regime na Economia e nos Direitos Humanos do Irã”, a CIDHI afirma que, ao invés de prejudicar o regime, as sanções provenientes do programa nuclear do Irã “trouxeram uma severa deterioração na habilidade do povo iraniano de ter seus direitos econômicos e sociais”.

“Perseguição sistemática”
O relator especial de direitos humanos da ONU no Irã, Dr. Ahmed Shaheed, registrou em setembro de 2012 que mais de 300 cristãos tinham sido presos ou detidos desde 2010, e que ao menos 41 foram detidos por períodos que variavam de um mês a mais de um ano, algumas vezes sem acusação formal.

O então presidente Mahmoud Ahmadinejad disse em fevereiro que o Irã “refutou” a argumentação da ONU de um aumento na discriminação de minorias religiosas, dizendo que “todas as pessoas do Irã, independente de sua religião ou etnia, desfrutam de iguais direitos de cidadania”.

No entanto, o relatório da CIDHI de janeiro, “O custo da fé: perseguição de cristãos protestantes e convertidos no Irã”, baseado em entrevistas com 31 iranianos cristãos entre abril de 2011 e julho de 2012, afirma que, “apesar das argumentações do governo iraniano de que respeita os direitos de suas reconhecidas minorias religiosas, a comunidade cristã no Irã enfrenta sistemática perseguição estatal e discriminação”.

Esta visão é apoiada por Mansour Borji, diretor de defesa da iniciativa de direitos humanos Artigo 18. “Às vezes, a frase ‘perseguição sistemática’ é usada tão vagamente que soa como um clichê. Entretanto, no caso da perseguição de cristãos no Irã, se encaixa nos critérios”, contou Borji à agência de notícias World Watch Monitor.

“Prisões arbitrárias e aprisionamento, restrições severas aos cultos de adoração na língua Farsi, um impedimento da publicação de Bíblias e literatura cristã em Farsi, ameaças e assédio de líderes da igreja evangélica, e contínuas tentativas de confiscar propriedades da igreja – estas são todas as peças do quebra-cabeça”, disse.

“Em poucas palavras, há uma tentativa sistemática de privar as igrejas de membresia, literatura, treinamento e desenvolvimento de liderança, comunhão com outros cristãos ao redor do mundo, e o direito a liberdade de religião garantido por alianças internacionais das quais o Irã é signatário”, completou Borji.

Sexta-feira (14), segundo o portal de notícias G1, “cerca de 50,5 milhões de eleitores foram convocados para eleger o sucessor do presidente Mahmud Ahmadinejad, que não pode aspirar a um terceiro mandato consecutivo e cuja reeleição em 2009 havia sido impugnada nas manifestações.” Ao longo da semana, a Portas Abertas trará atualizações quanto à situação política no país e os seus efeitos sobre a perseguição aos cristãos.

Veja também:

Reformista Hassan Rohani vence eleição presidencial no Irã

Informações: Portas Abertas / TraduçãoJorge Alberto

1 COMENTÁRIO

  1. E hora de acordar os que dormem e voltarem e clamarem e orarem pois chegou o tempo que a igreja nao pode ficar calada e oracao e jejum por estas vidas que fogem a pe descalco com fome e sede criancas que morrem aos milhares perseguidas pela fe no nome do Senhor Jesus

Deixe uma resposta