Uma brasileira na Coreia do Norte

1

Uma brasileira na Coreia do Norte.

Uma brasileira na Coreia do Norte
Uma brasileira na Coreia do Norte

Este é o último texto do especial sobre a Coreia do Norte, publicado pela Portas Abertas. Saiba mais detalhes sobre esse país que mais do que tudo precisa conhecer o amor, o perdão e a salvação de Jesus.

“Quando chegamos à Coreia do Norte, eu nem podia acreditar no que os meus olhos estavam vendo. Ali estava eu, no meio do povo pelo qual tinha orado desde os 17 anos. Conhecemos nossos guias turísticos no aeroporto, eram extremamente simpáticos. No caminho para o hotel, nossa principal guia foi nos apresentando Pyongyang. Ela parecia uma garota propaganda da Coreia do Norte, do regime político e principalmente de seus líderes. Por conhecer os outros guias disse a eles: ‘Nós somos um grupo de viajantes cristãos, e viemos ao país neste momento porque somos amigos do povo norte-coreano nos bons e maus momentos, viemos para orar pela paz da nação, está tudo bem para vocês?’ Eles disseram que sim e respeitaram. Essa oportunidade foi maravilhosa, pois os nossos guias presenciaram muitas de nossas orações e canções. Tudo isso  nos foi permitido pelo fato de sermos estrangeiros, no entanto qualquer tentativa de falar com os outros norte-coreanos a respeito de Jesus não seria possível. A liberdade religiosa no país só existe como propaganda para os estrangeiros.

Visitamos inúmeros lugares, como as igrejas de ‘fachada’ que tem seu conteúdo de culto controlado pelo governo, e até mesmo paga os pastores para fazerem propaganda política sobre a liberdade religiosa no país. Visitamos os grandes monumentos de Kim Il Sung e Kim Jong Il, a torre da ideologia juche, inúmeros museus que contam a história da guerra e do povo, a linha que divide as duas Coreias no paralelo 38. Uma escola, hospital maternidade, circo e cidades do interior.

A percepção que tive é de que o passado de guerra ainda é muito vivo na memória do povo norte-coreano, um passado traumático que é percebido em todas as ações diárias. A única esperança que têm está firmada nos grandes líderes e a ideologia juche disseminada desde a infância. Apesar de todo o contexto desanimador, Deus trouxe muita esperança ao nosso coração por meio de algumas conversas com nossos guias turísticos. Um deles nos informou que a ideologia juche já não tem mais 100 % de aceitação.  Pudemos então orar pela nova geração, para que a esperança seja transformada.

Os guias também disseram aos norte-americanos que não tinham nada contra os cidadãos dos Estados Unidos, apenas contra o governo. Assim, nos museus que contavam as atrocidades que os Estados Unidos cometeram no passado, eles sempre se preocupavam em perguntar aos norte-americanos se estava tudo bem. Um fato marcante foi a pergunta de um dos guias a um membro da equipe, se nós realmente acreditávamos que Jesus poderia trazer paz à nação. O guia norte-coreano demonstrava interesse pelo evangelho, assim tivemos boas conversas com eles, mas com muito cuidado.

Outro momento que me marcou foi o contato que tivemos com as crianças em uma escola. Emocionei-me quando nos convidaram para dançar com elas. Após suas apresentações, cantamos uma música em inglês “Yes, Jesus loves me” [Sim, Jesus me ama]. Foi muito especial Pois tivemos a convicção de que Deus estava operando naquele lugar e manifestando o seu amor àquelas crianças. Por diversos lugares onde passamos, pedimos permissão para orar e cantar. Escolhíamos músicas com melodias que lembravam o grande avivamento que houve outrora no país. Assim, se houvesse algum cristão secreto entre os ouvintes, ele saberia que não estava sozinho.

Tivemos mais acesso a lugares que contribuíam para a boa imagem da nação, mas foi perceptível o estado de  pobreza e sofrimento da população no trajeto para o interior. Deixei a Coreia do Norte, com a certeza de que um dia retornarei para contribuir com a propagação do reino de Deus naquele lugar. Amo os norte- coreanos e agora mais do que nunca, me sinto parte deste povo, sinto as suas dores e as suas alegrias.

Esta viagem me possibilitou ter mais esperança. Não há só gigantes na terra. A terra é boa!

“E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: a terra pela qual passamos para espiar, é terra muitíssimo boa.”Números 14.7

Sei que nossa viagem atingiu o propósito que Deus planejou. Agora é preciso paciência e aguardar a colheita.

“Assim como a chuva e a neve descem dos céus e não voltam para ele sem regarem a terra e fazerem-na brotar e florescer, para ela produzir semente para o semeador e pão para o que come, assim também ocorre com a palavra que sai da minha boca: Ela não voltará para mim vazia, mas fará o que desejo e atingirá o propósito para o qual a enviei.”  Isaías 55.10-11

Por fim, termino esta carta com um pedido. Orem pela Coreia do Norte, quando uma parte do corpo sofre, todas as outras sofrem junto. Que não nos esqueçamos dos nossos irmãos perseguidos em todo o mundo.

Agradeço por todos os joelhos dobrados em oração por mim, pelas contribuições e mobilizações. Que Deus continue encontrando em cada um de nós disponibilidade para que o evangelho do Reino seja espalhado até os confins da terra.”

I. Akemi

Através de um projeto da Portas Abertas, ajude refugiados norte-coreanos!

Leia os demais textos do Especial Coreia do Norte:

Cristãos são presos na Coreia do Norte por não reconhecerem ditador como divindade
Morrem mais norte-coreanos do que revelam os números oficiais
Diário de bordo: Coreia do Norte – Parte 1 
Diário de bordo: Coreia do Norte – Parte 2

“O som mais assustador que já ouvi foi o de carros no meio da noite”

Fonte: Portas Abertas Brasil


1 COMENTÁRIO

  1. chorei quando li , mas na certesa que DEUS esta trabalhando, fiquei felis . estou orando com voceis poucos tem esse privilegio de faser esta obra , fique na fé irmãos.

Deixe uma resposta