Ontem foi o dia de realizar o DIP – Domingo da Igreja Perseguida

0

Ontem foi o dia de realizar o DIP – Domingo da Igreja Perseguida

Ontem foi o dia de realizar o DIP - Domingo da Igreja Perseguida
Ontem foi o dia de realizar o DIP – Domingo da Igreja Perseguida

A espera finalmente chegou ao fim: ontem, 26 de maio, mais de 5.000 igrejas em todo o Brasil dedicaram um tempo e espaço com seus fiéis para orar, contribuir, divulgar e conhecer melhor a causa da Igreja Perseguida. Participe também

Em pleno século 21, cerca de 100 milhões de cristãos enfrentam hostilidade e perseguição religiosa pelo simples fato de seguir a Cristo. Essa intolerância acontece de várias maneiras: por meio do governo, da sociedade e, principalmente, da família. E, as represálias consequentes da profissão de fé destes irmãos são muitas vezes: encarceramento, agressões físicas e psicológicas, ameaças, perda de emprego, e morte.

Domingo da Igreja Perseguida, criado em 1987, pelo Irmão André (fundador da Portas Abertas), tem sido realizado no Brasil desde 1988. A data em si varia de ano a ano, pois é marcada no domingo, logo após o Pentecostes. Este critério foi adotado porque, no relato bíblico em Atos capítulo 4, o início das perseguições aos cristãos acontece logo após a descida do Espírito Santo, com a prisão de Pedro e João. Simbolicamente, portanto, podemos dizer que esta foi a “fundação” da Igreja Perseguida.

O objetivo do DIP é fazer com que a Igreja no Brasil conheça, se interesse e divulgue a causa da perseguição religiosa. Os departamentos infantis, de teatro, de jovens e de louvor das igrejas preparam diversas atividades para mobilizar os membros de suas comunidades. Algumas igrejas separam o dia todo repleto de ações e outras parte do culto, mas o mais  importante é que os cristãos brasileiros estão cada dia mais tendo ciência das dificuldades que seus irmãos vivenciam diariamente, e estão se envolvendo em oração.

Motive sua igreja a orar pelos milhões de cristãos espalhados pelo mundo que não têm liberdade e a possibilidade de servirem a Jesus Cristo livremente. No Afeganistão, muitas mulheres são queimadas com ácido quando seus maridos descobrem que elas se converteram à fé cristã. Na Nigéria, existem milhares de viúvas e mães da Igreja Perseguida, que perderam seus entes queridos porque eram seguidores de Cristo Jesus. 

“Eu entreguei minha vida a Cristo há dois anos, mas todos os membros de minha família são muçulmanos. É por isso que minha esposa e filha me desprezam”, disse Mohamed Habi, um refugiado do Mali.

A Portas Abertas, juntamente com a Igreja Brasileira, pode fazer muito pelos cristãos perseguidos, e o DIP é uma oportunidade de os organizadores levarem para suas comunidades a realidade de pessoas como Mohamed.Afinal, somos UM COMO ELES, certo?

Fonte: Portas Abertas Brasil


Deixe uma resposta