Não há nada na bíblia que afirma a homoafetividade é pecado, diz pastor de Igreja inclusiva

Não há nada na bíblia que afirma a homoafetividade é pecado, diz pastor de Igreja inclusiva. As igrejas evangélicas recebem diversas denominações.

 Não há nada na bíblia que afirma a homoafetividade é pecado, diz pastor de Igreja inclusiva
Não há nada na bíblia que afirma a homoafetividade é pecado, diz pastor de Igreja inclusiva

Existe a assembleia, metodista, batista, entre tantas outras. Mas uma nova vertente, a chamada Ministério Incluir em Cristo, trouxe um novo panorama para Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

A denominação, que segue a política da inclusão homossexual, existe há pelo menos 40 anos, e conta com unidades em mais de 40 países, principalmente ocidentais. Mas em Cabo Frio, a igreja foi fundada há seis meses, no bairro Itajurú, sob o comando do pastor Alexandre Costa, de 34 anos. Apesar de ter inaugurado a igreja no município, o contato com a teologia inclusiva já havia acontecido há 10 anos.

“Passei a minha adolescência na igreja metodista e presenciei a exclusão de homossexuais. Isso me fez perceber que eu também não seria aceito naquele lugar. Daí eu saí dessa igreja e conheci um pastor de uma igreja tradicional que me apresentou a teologia inclusiva. Não aceitei a nova ideia de imediato porque era tudo desconhecido, mas com base em estudos, eu notei a presença de Deus e entrei para uma igreja no Rio de Janeiro”, relembra Alexandre Costa.

Alessandro Brittes é pastor auxiliar da igreja inclusivaAlessandro Brittes é pastor auxiliar da igreja inclusiva.

Por não ter nenhuma instituição religiosa na cidade que entenda o comportamento homossexual, há 10 anos os adeptos à ‘nova’ teologia reunia os fiéis nas chamadas células até o dia em que Deus teria revelado uma missão para os dirigentes da futura igreja. “Por duas vezes eu estava em igreja evangélica em Duque de Caxias (Baixada Fluminense) e fui surpreendido por revelações que diziam que eu iria para uma região de muitas águas e que o meu rebanho seria de pessoas diferentes, distantes do entendimento da própria pessoa que Deus usou para falar comigo. Daí eu vim para Cabo Frio para passear, me apaixonei pela cidade e decidi morar aqui, mas sem nenhuma pretenção de abrir igreja”, conta o pastor auxiliar Alessandro Brittes, de 40 anos de idade.

Ricardo Souza, de 40 anos, é um dos recém frequentadores da igreja. Como os pastores, o agente de turismo sempre esteve envolvido com a religião, mas nunca se sentiu bem em uma igreja por causa do preconceito. “Eu frequento igrejas evangélicas desde quando eu era criança, e há dois meses venho aqui e fui muito bem acolhido. Cresci com outras referências bíblicas mas não tive nenhum problema para me adaptar ao novo olhar para a religião. Estou feliz aqui, é como se fossemos uma família”, comentou com satisfação.

Lidando com o preconceito
Conseguir um espaço para chamar de ‘casa de Deus’, não uma das tarefas mais simples. Apesar da cidade ter eventos voltados para o público homossexual e reunir um grande número de pessoas todos os anos, abrir uma igreja com um olhar diferenciado das demais não foi tão simples. “Antes mesmo de ter a igreja, alguns pastores da região estiveram na Câmara Municipal para nos criticar e que usaria a influência política para impedir o nosso trabalho. O preconceito ainda existe, as opiniões contrárias também, mas conquistamos o preconceito de outros líderes religiosos ainda que eles não concordem com a nossa visão”, disse Alexandre Costa.

Mas apesar de hoje terem uma igreja que respeita o homossexual, o número de frequentadores ainda é pequeno. “As pessoas ainda têm medo de sofrer preconceito ao dizer frequenta a nossa igreja porque a homofobia no interior é maior. Por isso, muitos acompanham o nosso trabalho pelas mídias sociais, ou por telefone, além dos que vêm aqui. A média de frequentadores é de 20 pessoas, e nem todas são homossexuais”, ressaltou o pastor.

Diferença para outras igrejas
Por terem base em um estudo evangélico que não aponta a discriminação, surgem as dúvidas quando o assunto é a homossexualidade. Nas demais igrejas que seguem o evangelho, a questão gay é vista como um pecado, como sugere a passagem bíblica “Com homem não te deitarás como se fosse mulher; é abominação”.

Em entrevista o G1, Alessandro Brittes afirma. “O antigo testamento mostra diversas coisas que seriam proibidas, como comer camarão, ou o fato da mulher ser isolada no período menstrual, e até mesmo a morte aos filhos rebeldes. Essas escrituras são antigas e, por isso, é preciso voltar no tempo para contextualizar e aplicar nos tempos atuais. Cristo não recrimina ninguém, pelo contrário, diz que é preciso nos entender como pessoas diferentes, sem condenação. As pessoas interpretam o texto da forma como é mais conveniente para elas”, rebateu.

Pastor Alexandre CostaPastor Alexandre Costa orando um membro da
igreja durante o culto.

Com a orientação sexual fora da ‘lista de pecados’, o pastor Alexandre Costa reafirma a ideia de que o Ministério Incluir em Cristo segue os mesmos mandamentos de Deus e que as atitudes pecaminosas são as mesmas vistas por outras igrejas. “Não temos uma relação do que pode, ou não pode. As pessoas precisam ser conscientes do que é certo ou errado para não cometer erros. O mau caratismo, por exemplo, é um pecado. Mas como pode uma relação homossexual, com amor, respeito, fidelidade, ser um exemplo de algo ruim? Não há nada na bíblia que afirma a homoafetividade como pecado, mas a forma como as pessoas conduzem a sua vida afetiva, com promiscuidade, etc”, garantiu o pastor.

Informações G1

COMPARTILHAR