Tentativa de golpe militar em Comoros é fracassada.

0

Missões: Tentativa de golpe militar em Comoros é fracassada.

Tentativa de golpe militar em Comoros é fracassada.
Tentativa de golpe militar em Comoros é fracassada.

Quadragésima primeira nação na Classificação de países por perseguição, em Comores o evangelismo é terminantemente proibido e quem for pego falando sobre Jesus pode ser preso e multado. Os cristãos são discriminados em todos os setores da sociedade, mas não há restrições quanto à prática religiosa particular.

A atmosfera em Comores estava bastante tensa na semana passada, após a tentativa de golpe militar de Estado ter fracassado. Autoridades disseram à agência de notícias Reuters que pelo menos dez pessoas foram detidas; segundo informações oficiais, elas tinham o objetivo de “orquestrar um ato desestabilizador” no país. O filho do ex-presidente Ahmed Abdallah Abderemane, que foi assassinado em 1989, e um ex-ministro, Mahmoud Ahmed Abdallah, estavam entre as pessoas que foram retidas.

Desde a sua independência, em 1975, Comores não sofreu menos que 20 golpes de Estado ou tentativas de golpe. Por ser rigidamente controlada, é difícil obter informações por meio da sociedade; a oposição inicialmente criticou o governo pela falta de comunicação sobre os acontecimentos. Sábado (27/04), líderes dos partidos da oposição e do partido do presidente, além de grupos da sociedade civil marcharam em torno da cidade de Moroni para protestar contra a tentativa rebelde de desestabilizar o país empobrecido. Cerca de mil pessoas compareceram à manifestação.

Relativamente pequena, a Igreja local vem enfrentando muitos desafios ao longo dos últimos anos. O temor geral é que a desconfiança causada por estes eventos políticos agrave ainda mais as dificuldades de quem se converte ao cristianismo. Por hora, aparentemente não houve quaisquer problemas específicos relacionados à tentativa de golpe. Ore para que o Senhor continue sustentando e protegendo os cristãos comorianos.
Fonte: Portas Abertas Internacional
Tradução: Ana Luíza Vastag

Deixe uma resposta