Teólogo diz que a crise atingiu o coração da Igreja Católica

5
Teólogo diz que a crise atingiu o coração da Igreja Católica
Teólogo diz que a crise atingiu o coração da Igreja Católica

Teólogo diz que a crise atingiu o coração da Igreja Católica. Teólogo Leonardo Boff, ex-aluno do papa, comenta renúncia de Bento 16 e  mostra ceticismo sobre futuro da Igreja Católica. O futuro da Igreja Católica ainda é uma incógnita para o teólogo Leonardo Boff. Hoje (28), no último dia de pontificado do papa Bento XVI, de 85 anos, Boff mostrou ceticismo ao falar à Agência Brasil sobre o tema.”Eu creio que a crise é tão grande e atingiu o coração da Igreja [Católica], porque é a parte moral, da transparência, da credibilidade, da confiança que os fiéis dedicam à igreja. Isso foi atingido e, em parte, destruído”.

Para Boff, o futuro papa terá a tarefa “imensa” de resgatar uma imagem da Igreja Católica que tenha uma “altura moral, que ela represente valores que vêm da grande tradição de Jesus”. Ele acredita que o novo papa deverá vir de fora da Europa. “Porque os europeus todos estão envolvidos na mesma lógica do poder, dos negócios, das intrigas”. Para o teólogo, o novo papa poderá vir da África ou da América Latina.

“Tem que ser um papa corajoso, que enfrente a Cúria romana, que tem mais de mil anos de estruturação, e descentraliza eventualmente a Igreja Católica”. O teólogo disse que os instrumentos teólogicos-jurídicos não existem. “Os papas sempre os esvaziaram. Basta a ele [novo papa] aplicá-los. Salvaria a Igreja. Isto é, dando valor de decisão às conferências nacionais, aos sínodos dos bispos que ocorrem a cada dois ou três anos em Roma, e o papa como referência de unidade, mas peregrinando pelas igrejas”.

Boff defendeu os nomes do cardeal de Gana, Peter Turkson, ou do cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa (Honduras), para o novo papado. Na Europa, embora avalie como pouco provável que se eleja um papa oriundo daquele continente, indicou que um nome forte seria o do cardeal de Viena, na Áustria, Christoph Schönborn, “que é muito corajoso, aberto”. Para Boff, Schonborn é alguém que pode estar preparado para enfrentar crises graves na Igreja Católica.

O teólogo acha que a escolha de um cardeal brasileiro seria uma grande surpresa. “Porque nós não temos cardeais proféticos, de renome internacional, como tínhamos antes com dom Paulo Evaristo [Arns], com dom Aluísio [Lorscheider]. Temos cardeais criados pelos dois papas João Paulo II e Bento XVI, que são moderados e conservadores. Não seriam as figuras capazes de enfrentar uma grande crise da Igreja”.

Mesmo depois de ter sido julgado e condenado pelo então Cardeal Joseph Ratzinger, em 1974, com quem trabalhou anteriormente, Leonardo Boff disse que não guarda nenhum ressentimento ou mágoa. “Curiosamente eu não guardo nada. Até me esqueço disso, e considero coisa do século passado. Lamento que ele, enquanto presidente desse Santo Ofício e continua agora como papa, condenou mais de 100 teólogos, os melhores dos países”. Os teólogos, como Boff, foram proibidos de dar aulas, de fazer conferências, de publicar livros.

Na avaliação de Boff, Joseph Ratzinger foi um papa que tem um rosto afável, é elegante, mas de uma dureza germânica. Eu diria bismarquiana (aludindo a Otto von Bismarck, estadista mais importante da Alemanha do século 19 que, para formar a unidade alemã, desprezou os recursos do liberalismo político, preferindo a política da força). Ele não esquece nada, cobra tudo e não perdoa nada”, disse. “Isso é o pior que pode haver na figura de um religioso”, completou.

Para o teólogo, há meios de se reverter a perda de fiéis que a Igreja Católica vem sofrendo ao longo dos últimos anos. Isso vai depender, contudo, da imagem que a igreja projetar. “Se for a imagem de um papa pastor, que ama o povo, que serve com humildade e simplicidade como João XXIII, que é chamado o papa bom, todo mundo adere e se recupera a Igreja Católica como um lar espiritual. Hoje ela não é um lar espiritual. Ela é um pesadelo que afugenta as melhores cabeças, leigas, de homens e mulheres”.

Em entrevista à Agência Brasil e à TV Brasil, Leonardo Boff analisou que a renúncia de Bento XVI é um sinal que o tipo de Igreja, “toda centralizada na figura do papa, é impossível de ser levada avante”. Essa, segundo ele, é uma carga pesada, colocada nas costas de uma única pessoa. O teólogo acrescentou que o papa foi sincero quando disse não ter mais vigor para dirigir a Igreja Católica mergulhada em uma crise profunda. “Então, humildemente e sinceramente, renunciou”.

O fato de Bento XVI permanecer morando no Vaticano e ostentando o título de papa emérito é, segundo Boff, uma situação extremamente arriscado. “Porque no Vaticano só deve ter uma cabeça e não duas. E há o risco, se vier um papa mais aberto e fizer reformas, que haja grupos de cristãos mais conservadores, e há muitos no mundo hoje, que continuam obedecendo ao papa Bento XVI e não ao outro. Então seria um cisma [separação] na Igreja. Oxalá isso não aconteça”.

Para Leonardo Boff, a Igreja Católica não terá outro caminho senão o de enfrentar as denúncias de corrupção e pedofilia. “Ela não tem alternativa. Ou faz isso ou se desmoraliza totalmente”. Ele crê que um papa corajoso terá o bom-senso de conduzir a Igreja rumo à modernização. “Porque não se pode mais impedir a camisinha, deixar que a aids na África siga devastando nações. Não pode. Tem que usar bom-senso, colocando a vida no centro [das decisões]”. O teólogo entende que os pobres que vivem humilhados em todo o mundo e a terra devastada deverão fazer parte do novo discurso da Igreja, onde ela pode se regenerar.

A escolha do novo papa será um processo difícil no conclave dos cardeais, previsto para os próximos 15 dias, disse Boff. Ele explicou que as cerca de 300 páginas do relatório que aborda os abusos cometidos por membros da Igreja Católica, desde desvio de dinheiro a abusos sexuais, vão produzir um impacto nos cardeais. “E eu temo que muitos deles não sentem coragem de enfrentar uma crise dessas e queiram alguém mais novo, mais corajoso, fora do circuito romano”. Alguém que possa voltar a transformar a Igreja em um “lar espiritual”.*(Informações Agência Brasil)

5 COMENTÁRIOS

  1. Falam tanto da Igreja Católica, na qual a pedofilia é punida, e esquecem do islamismo, que se intitula religião, no qual a pedofilia é legalizada, por que?

    Sem dúvida os pedófilos muçulmanos estão por trás dessas difamações.

    A verdade é que onde os muçulmanos se infiltram, seja no Continente Africano, Asiático, Americano ou Europeu, inclusive na Oceania, a pedofilia aumenta, assim como aumentou no Brasil.

    Islamismo não é uma religião, como alegam, mas uma Seita Pedófílica e política, na qual a pedofilia é legalizada por lei do ISLÃ. Aiatolá Khomeini, o líder “religioso” dos islâmicos, antes de morrer, abaixou a idade, para o “casamento” das meninas de 9 (nove) anos, para 8 (oito) anos de idade. Assim, qualquer muçulmano jovem ou velho, pode se deliciar em orgias pedofílicas, sem ser punido.

    Acordem para a realidade, e se informem! E, viva a NOVA ORDEM DOS TEMPLÁRIOS, que varrerá do planeta Terra, a chaga da humanidade, denominada islamismo, e suas aberrações sexuais: a pedofilia

  2. Irmã Carmelita,volto a pergunta a você: Como podemos pregar uma coisa e fazer outra? Você teria coragem de pregar o amor mesmo não amando, sabendo que o anúncio da Boa Nova é para ser anunciado?
    A questão é muito mais delicada… Não é rompendo com o celibato que o ser humano será liberto de suas máculas, mas sim rompendo com o pecado a partir de Jesus Cristo. As atrocidades do homem, vão além de sua posição social ou religiosa… é questão de índole, de caráter… é questão ontológica… Veja minha irmã, possivelmente o homem que trai sua Igreja, teria uma postura de infidelidade se fosse casado… Conheci padres que deixaram de exercer seu ministério para se unir a uma mulher e já estão em sua terceira união. Conheci num presídio padrastos que violentavam sexualmente suas enteadas e enteados (crianças)… Repito a questão é mais delicada do que imagina… Estamos lidando com o ser humano. O celibato não se resume em abstinência sexual, é um dom, uma graça não concedida a todos(cf Mt19:12)… é também um sinal escatológico… O que seria do Apóstolo Paulo sem o dom do celibato? Será que sua dedicação seria a mesma? (cf ICor 7:8)… Ao casado que trai, será que a solução é ser celibatário? Claro que não, ele precisa ser curado por Jesus Cristo!
    Carmelita de Deus, o Senhor nos ama e veio para nos salvar! Deus quis precisar do homem, criatura tão incoerente com as palavras e com a vida, para salvar o seu gênero.
    LEVE AMOR

  3. A Igreja Católica precisa enfrentar a sua hipocrisia, grande hipocrisia. Defende a abstensao sexual, mas seus integrantes, inclusive cardeais, praticam o sexo. E contra o homossexualismo. Porém, muitos dos seus integrantes são homens que fazem sexo com homens (HSH), e até com criancas! Como pode pregar uma coisa e fazer outra?

Deixe uma resposta