Justiça condena Igreja Universal por induzir fiel a fazer doações

2

Justiça condena Igreja Universal por induzir fiel a fazer doações

Justiça condena Igreja Universal por induzir fiel a fazer doações
Justiça condena Igreja Universal por induzir fiel a fazer doações

A Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a pagar indenização de R$ 20 mil por ter induzido um casal de fiéis a doar seus bens em troca de bênçãos. A decisão foi divulgada nesta quarta-feira pela 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).

Uma empresária e seu companheiro ajuizaram ação na comarca da cidade de Lajeado afirmando terem sido enganados e iludidos. Ela contou que o casal vinha passando por problemas financeiros, razão que a levou a procurar a Igreja Universal. Disse que, ao final de cada culto, os pastores recolhiam certa quantia em dinheiro e afirmavam que, quanto mais dinheiro fosse doado, mais Jesus daria em troca.

O casal chegou a vender o veículo que possuía, entregou joias, eletrodomésticos, aparelho celular e uma impressora à Igreja. Na ação, eles pediram indenização por danos morais e materiais. A juíza Carmen Luiza Rosa Constante Barghouti condenou a Universal a restituir os aparelhos e determinou o pagamento de indenização por dano moral em R$ 20 mil.

A Igreja Universal recorreu da sentença, alegando que não constrange seus fieis a entregar dízimos ou doações e que não há nenhuma prova de que a mulher estivesse provada de discernimento durante o período no qual frequentou a igreja. Salientou que ela passou a frequentar o local por vontade própria.

Inicialmente, o relator da apelação, desembargador Tasso Caubi Soares Delabary, disse que, uma vez que o dízimo e a oferta, em regra, são atos de disposição voluntária voltados à colaboração com o templo religioso, podem ser classificados como doação. Mas destacou que a doação pode ser anulada quando a pessoa é coagida, sob pena de sofrimento ou penalidades. De acordo com ele, nesses casos, a violência psicológica é tão ampla e profunda que anula, por completo, a sensatez e a manifestação da vontade.

Citando decisão da magistrada de Lajeado, o desembargador observou que as testemunhas ouvidas – entre elas o pastor – confirmaram que a mulher, que era empresária, vinha passando por dificuldades financeiras. Alguns dias depois de começar a frequentar o local, ela teria dado um testemunho de que conseguira um bom contrato.

Os relatos de pessoas que frequentam a igreja explicaram como funciona a oferta, momento em que o pastor passa um envelope para os presentes realizarem doações. Uma delas contou que já entregou em torno de R$ 5 mil e um carro. Contaram também a respeito do voto quebrado: o fiel se compromete a uma determinada doação e recebe uma carta que, baseada em trecho da bíblia, traz as penalidades sofridas por quem não cumpre suas promessas.

A juíza enfatizou que os depoimentos demonstram que a empresária, juntamente com os demais fieis, foi desafiada a fazer donativos, inclusive superiores a sua capacidade financeira, com o objetivo de provar a fé e sob ameaça de não ser abençoada.

Informações Terra

2 COMENTÁRIOS

  1. a igreja universal ,muito menos os pastores obrigam ninguem a dar nada,se a senhora deu e porque vc quis resolver o seu ploblema rapido,mas isso e so para quem realmente cre no poder de Deus vc acha que cre mas nao cre e coisa nenhuma e isso ficou mais doque provado.vc nao sabe o que perdeu ou vc acha que tem mais doque Deus agora me desculpe do que vou te dizer este dinheiro que vc voce vai receber vc nao vai conseguir fazer uso dele porque vc deu e depois tomou e a biblia diz com DEUS nao se brinca,se arrependa e peça perdao a DEUS e melhor coisa que vc pode fazer agora

Deixe uma resposta