Padre Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticos

3

Padre Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticos

“É complicado quando qualquer igreja mistura o religioso com o poder político”, afirmou  o padre Marcelo Rossi.

Padre Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticos
Padre Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticos

Na inauguração, do Santuário Theotokos – Mãe de Deus, considerado a maior igreja católica do Brasil, estarão presentes o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab. Mas o padre Marcelo Rossi esperava ver também no altar Fernando Haddad, prefeito eleito de São Paulo pelo PT.

Durante o período eleitoral, Dom Fernando Figueiredo, bispo da diocese de Santo Amaro, a qual Rossi pertence, recomendou que os padres deveriam abrir espaço a todos os políticos que quisessem falar nas paróquias. Quatro anos atrás, Figueiredo e o padre Marcelo dividiram palanque com Serra e Gilberto Kassab. Em 2012, José Serra recebeu novamente o apoio informal de Rossi que disse acreditar nele, segundo a Folha de São Paulo.

Além de José Serra (PSDB), Gabriel Chalita (PMDB) e Celso Russomanno (PRB) passaram pelo Santuário do Terço Bizantino, onde Rossi realizava suas missas, para receber a benção do padre eleito como o líder religioso mais influente do país.

Haddad esteve em uma missa em maio, mas o padre Marcelo não apareceu na celebração, pois teve um contratempo. O padre quebrara um dente na ocasião e foi levado às pressas para fazer um implante. Terminada a campanha, Rossi admite “Estava em falta com ele”.

O padre afirma ter uma boa expectativa sobre o governo Haddad. “Pelos projetos que apresentou, vai ser benéfico à população”.   Mas aproveitou para fazer uma ressalva “Eu acolhi todos, mas nunca apoiei”. E acrescentou “Jamais falei ‘vote neste ou naquele’, diferentemente do que fizeram alguns evangélicos. É complicado quando qualquer igreja mistura o religioso com o poder político”.

A exemplo da eleição presidencial de 2010, pastores, bispos e apóstolos evangélicos tiveram um papel de protagonistas. Em diferentes partes do país, os candidatos comemoravam o apoio de lideres religiosos e muitas igrejas, inclusive, dedicaram-se a fazer campanha, transformando-se em verdadeiros comitês eleitorais.  Curiosamente, o prefeito eleito Fernando Haddad criticou no primeiro turno o uso político da religião, mas no segundo conseguiu atrair vários pastores para sua campanha.

Informações: Gospel Prime

3 COMENTÁRIOS

  1. EU ACHO QUE O MARCELO ROSSE TÁ APROVEITANDO A OPORTUNIDADE PRA MANDAR UMA MENSAGEM OCULTA PARA OS CATÓLICOS,NA VERDADE ELE QUER DISER O SEGUINTE,MEU POVO NÓS ESTAVAMOS SENTADOS NO TRONO COMO REI NO BRASIL,HOJE O COLÉGIO ELEITORAL EVANGELICO AUMENTOU ESTOU COM CIUMES DOS POLITICOS QUE SE ELEGERÃO COMO APOIO DOS EVAGELICOS.ESSA É QUE É A VERDADE!

  2. eu nao entendi o que disse o padre a respeito da religião na politica pois ao longo dos seculos eles dominarão o mundo da politica pois ate mesmo o vaticano é um país pois o papa é recebido em muitos paises como politico em crusive em nosso pais até mesmo aviões da força aéria é desiguinado p o transportar pois é um estadista

Deixe uma resposta