Os acusados pela morte de Eliza Samudio começa a ser julgados

0

Os acusados pela morte de Eliza Samudio começa a ser julgados

Começa julgamento dos acusados no caso Eliza Samudio. Goleiro Bruno e mais quatro réus são julgados por cárcere privado e morte, ocultação de cadáver.

Começa a ser julgado os acusados pela morte de Eliza Samudio
Começa a ser julgado os acusados pela morte de Eliza Samudio

Uma discussão entre os advogados de defesa marcou o início do julgamento do goleiro Bruno Fernandes, ex-capitão do Flamengo, que é acusado de suposta responsabilidade no assassinato da modelo Eliza Samudio, com quem teve um filho.

O julgamento está sendo realizado na cidade de Contagem, em Minas Gerais, e conta com 20 jurados que decidirão o futuro do ex-jogador e de outros quatro acusados pelos delitos de homicídio qualificado, sequestro, encarceramento privado e ocultação de cadáver de modelo Eliza Samudio, desaparecida desde 2010, quando tinha 25 anos.

O julgamento, segundo fontes judiciais, pode se prolongar por duas ou três semanas porque, além dos cinco acusados, um total de 30 testemunhas devem ser interrogadas pelo juiz, pela promotoria e pelos advogados de defesa.

O primeiro dia do julgamento começou com uma disputa entre o advogado de Bruno e o advogado de outro acusado, por conta do espaço que ocupariam no tribunal e com discussões por conta do que consideram condições pouco propícias para um procedimento livre de pressões.

Essas discussões aconteceram porque, supostamente, poucas cadeiras haviam sido destinada aos defensores perante a necessidade de aumentar o espaço para o público e por conta da autorização que o juiz concedeu à fotógrafos e câmeras para que registrassem alguns minutos do julgamento.

Bruno, que até meados de 2010 foi goleiro, capitão e um dos ídolos do Flamengo, já foi condenado por sequestro e lesão corporal contra Eliza Samudio, de quem era amante e com quem teve um filho.

A modelo, que vinha pressionando o goleiro para que reconhecesse a paternidade de seu filho e lhe pagasse uma pensão, tinha apresentado em outubro de 2010 um requerimento perante uma delegacia de Polícia do Rio de Janeiro, acusando o jogador de tê-la sequestrado, agredido e ameaçado matá-la.

A jovem desapareceu pouco depois e o goleiro foi detido depois que um primo, então com 17 anos, admitisse tê-la sequestrado por ordem de Bruno para levá-la até a residência do jogador em Belo Horizonte.

A mesma testemunha afirmou que a jovem foi assassinada por um ex-policial contratado pelo jogador e que o assassino esquartejou o corpo da modelo e o deu para os cachorros.

Além de Bruno, no julgamento que começou nesta segunda-feira, estão no banco dos réus o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, acusado pela morte material da modelo, e Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão, amigo do jogador e acusado de ter dirigido o sequestro da jovem.

Os outros dois réus são a ex-esposa do jogador, Dayane Rodrigues do Carmo, e uma ex-namorada do goleiro, Fernanda Gomes de Castro, que são acusadas de cumplicidade porque sabiam do sequestro da modelo e ajudaram a cuidar do bebê antes e após seu desaparecimento.

As medidas de segurança adotadas para prevenir qualquer incidente incluíram o bloqueio do trânsito em frente ao prédio judicial e a instalação de blitz policiais nas portas do fórum.

Entre os presentes no julgamento está Sonia de Fátima Moura, a mãe de Eliza Samudio e a quem a justiça concedeu a guarda do filho da modelo e o jogador. “Confio na justiça, na condenação de todos os réus e em que entreguem os restos mortais da minha filha”, afirmou antes de entrar na sala onde acontece o julgamento.

*Informações EFE / Terra

Deixe uma resposta