Missão de resgate liberta dois mil cristãos que estavam aprisionados no Sudão

2
Missão de resgate liberta dois mil cristãos que estavam aprisionados no Sudão
Missão de resgate liberta dois mil cristãos que estavam aprisionados no Sudão

Missão de resgate liberta dois mil cristãos que estavam aprisionados no Sudão

Uma grande operação realizada pela missão Barnabas Aid resgatou cerca de 2.000 mulheres e crianças cristãs que estavam presas no Sudão. Depois de uma série de obstáculos políticos e burocráticos, dia 19 de setembro foram realizados com sucesso os 12 voos fretados que saíram de Cartum para a capital do Sudão do Sul, Juba.

A missão de resgate tem se estendido desde então e deve ser concluída nos próximos dias. Os líderes da Igreja e da comunidade local identificaram os cristãos mais necessitados e vulneráveis entre as centenas de milhares de sulistas que estavam “presos” em Cartum.

“Eles serão acolhidos nas instalações de acolhimento temporários criados pelo governo sudanês do Sul antes de chegar até membros da família espalhados por todo o país”, disse um porta-voz do Barnabas Aid, que ressaltou:  ”A Igreja no Sudão do Sul está pronta para ajudá-los com as suas necessidades imediatas”.

Cristãos nascidos no sul que permaneceram no Sudão após a divisão dos dois países foram despojados de sua cidadania pelo governo e receberam um prazo para sair. O presidente Omar al-Bashir deixou claro que eles não são mais bem-vindos no Sudão e repetidamente declara  sua intenção de fazer com que seu país seja formado 100% por islâmicos e que imporá a lei da sharia.

Embora no ano passado muitos foram para o Sul do Sudão por sua própria vontade, o governo sudanês recentemente fechou a fronteira e com isso os sulistas vem sofrendo. A vulnerabilidade dos que ficaram presos no norte intensificou-se na semana passada por causa dos violentos protestos islâmicos que mexeram com todo o Sudão. O Barnabas Aid afirmou que “Além de enfrentarem o perigo de morte, os cristãos empobrecidos do sul têm vivido em condições terríveis nos abrigos improvisados da periferia de Cartum há muitos meses.”

Independente desde 9 de Julho de 2011, pelo voto de 97% dos habitantes, o Sudão do Sul enfrenta sérias dificuldades econômicas. A população da nação mais jovem do mundo é formada majoritariamente por cristãos e animistas. Após anos de guerra com o Sudão, principalmente por causa de motivos religiosos e étnicos, o novo país carece de uma administração estatal eficaz, infraestruturas e serviços básicos, e precisou ser construído quase do zero, pois Cartum nunca permitiu o desenvolvimento do Sul.

Além disso, está privado de 98% das suas receitas desde janeiro, quando paralisou a sua produção de petróleo, por causa dos conflitos com o Sudão sobre a partilha dos recursos petrolíferos. Agora investe, com a ajuda da ONU, num gasoduto em direção ao Djibuti. Os dois Estados continuam envolvidos numa maratona de negociações mediada pela União Africana, para tentar  resolver as suas diferenças e ainda debatem a delimitação de fronteiras.

Organizações cristãs e humanitárias de todo o mundo tem enviado ajuda e havia o temor que os cristãos que ficaram no norte fossem massacrados como uma forma de retaliação do governo do Sudão.

Traduzido de Religion Today / Gospel Prime