Líder da igreja que defende uso da maconha é preso em Americana (SP)

1
Líder da igreja que defende uso da maconha é preso em Americana (SP)
Líder da igreja que defende uso da maconha é preso em Americana (SP)

Líder de igreja que defende uso da maconha em rituais religiosos é preso em Americana interior de São Paulo.
A Guarda Municipal de Americana (Gama) prendeu nesta terça-feira (14) o líder da Primeira Igreja Niubingui Coptic de Sião do Brasil, mais conhecida como “Igreja da Maconha”, localizada em Americana (127 km de São Paulo).

Geraldo Antonio Batista, de 53 anos, mora na chácara onde a sede da igreja está instalada. No local, os guardas apreenderam 37 pés de maconha, alguns com cerca de 1,80 metro de altura, e outros, menores, plantados em caixas de leite.

Por volta das 17h30, patrulheiros da Gama faziam ronda de rotina na entrada do bairro quando decidiram abordar dois jovens, ambos de 18 anos. Com a dupla os guardas encontraram uma embalagem de cigarro com as folhas de maconha. Segundo os guardas, eles confessaram que adquiriram os cigarros na chácara de Batista.

Maconha é erva sagrada em igreja de Americana (SP)

Com o apoio da Ronda Ostensiva Municipal Especial Preventiva (Romep), os patrulheiros entraram na chácara, onde localizaram Batista e dois rapazes, um de 17 e outro de 18 anos. Os pés de maconha estavam plantados em canteiros na entrada da casa.

Na varanda havia algumas ‘bitucas” (restos de cigarro de maconha), em um local parecendo ser um altar. Os patrulheiros também localizaram pés de maconha secos pendurados no quarto do líder religioso. Na entrada da propriedade, avisos colados ao portão informavam o horário de funcionamento e o valor da entrada na chácara: R$ 10.

Batista e os jovens foram encaminhados ao plantão policial. O delegado plantonista Robson Gonçalves de Oliveira esteve na propriedade acompanhado dos peritos do Instituto de Criminalística de Americana. Batista foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e encaminhado à Cadeia Pública de Sumaré. O caso foi apresentado no plantão policial e encaminhado para o 4º Distrito Policial.

Denúncia

A Guarda Municipal já havia verificado uma denúncia na propriedade de Batista, em dezembro de 2011, quando foram encontrados 32 pés de maconha. Na ocasião, o suspeito prestou depoimento na polícia e foi liberado.

A perícia da Polícia Civil vai investigar se as mudas encontradas possuem o chamado TCH (tetraidrocanabinol), princípio ativo da maconha responsável pelos efeitos da droga no organismo. Batista defende o uso da maconha para rituais religiosos.

*UOL

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta