Judeu corrigiu cerca de 1.500 erros gramaticais na Bíblia hebraica

3
Judeu corrigiu cerca de 1.500 erros gramaticais na Bíblia hebraica
Judeu corrigiu cerca de 1.500 erros gramaticais na Bíblia hebraica

Um estudioso judeu concluiu um projeto de 30 anos que o envolveu na correção do que ele diz que são centenas de erros gramaticais na Bíblia hebraica, ou Antigo Testamento, fazendo a primeira edição do texto em quase 500 anos.
O estudioso, Menachem Cohen, 84, revelou no início desta semana que ele havia corrigido cerca de 1.500 erros gramaticais na Bíblia hebraica. Seu trabalho está previsto para ser publicado no próximo ano.

“O povo de Israel tomou para si, pelo menos em teoria, uma versão da Bíblia, até a sua última carta,” Cohen contou à Associated Press a partir de seu escritório na Universidade Bar-Ilan, perto de Tel Aviv.

“Foi surpreendente para mim que há 500 anos, as pessoas não perceberam os erros”, acrescentou. “Eles simplesmente assumiram que estava tudo bem, mas na prática nem tudo estava bem.”

A última versão corrigida foi publicada por Jacob Ben-Hayim em 1525, e chamou Gedolot Makroat, que reuniu textos diversos da religião e comentários.

Cohen não é o único estudioso judeu a observar e tentar corrigir os erros – atualmente, o Projeto da Bíblia da Universidade Hebraica em Jerusalém também está trabalhando em uma edição acadêmica da Bíblia Hebraica. O coordenador do projeto editorial, Rafael Zer, disse que ele acha a versão de Cohen “quase-científica” porque lhe falta um guia de como e por que os supostos erros foram corrigidos.

Ao dar crédito ao trabalho árduo de Cohen, Zer, disse que “vem em detrimento da precisão absoluta e uma edição científica absoluta.”

Cohen, um ex-professor, salientou que ele quer que sua versão revista do Antigo Testamento vá online e seja disponibilizada para quantas pessoas for possível, incluindo estudantes. Como um ex-estudioso, ele disse que seu principal objetivo é “corrigir o passado e se preparar para o futuro.”

“Eu quero que a Bíblia seja de fácil uso ao usuário”, disse Cohen. “Hoje, podemos criar fontes de informação e pesquisas que lhe permitem obter uma resposta para tudo o que você está se perguntando.”

O estudioso também esclareceu que não pretendia alterar o idioma nos pergaminhos da Torá sagrada, que são utilizados para ritos religiosos. De acordo com a lei judaica, se mesmo uma única letra estiver incorreta, o livro todo é nulo.

Cohen diz que seu trabalho não afeta o significado do conteúdo da Bíblia. Por exemplo, em alguns lugares, marcadores usados para denotar as vogais em hebraico estão incorretos, ou letras em algumas palavras podem ter sido digitadas erradas – mas o significado permanece o mesmo. Para ajudá-lo em seu trabalho, o professor usou principalmente o Codex Aleppo, o pergaminho de 1.000 anos de idade, que é considerado como a cópia mais exata da Bíblia hebraica.

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta