Um cristão irá fazer parte do novo governo do Egito

0
Um cristão irá fazer parte do novo governo do Egito
Um cristão irá fazer parte do novo governo do Egito

O presidente recém-eleito do Egito, o islamita Mohammed Morsi, mudou-se para o escritório antes ocupado pelo presidente deposto Hosni Mubarak e começou consultas nesta segunda-feira para a formação de sua equipe e de um novo governo, disse um assessor.

Em um esforço para atrair apoio e curar divisões nacionais, Morsi prometeu nomear vários vices, incluindo uma mulher e um cristão. Também há consultas para formar um governo de coalizão nacional. Ele prometeu que nomeará alguém que não seja da Irmandade Muçulmana para chefiar o governo.

Morsi enfrenta enormes desafios de melhorar a economia e manter a lei e a ordem – que se deterioraram no período pós-Mubarak.

No domingo, ele foi declarado vencedor com quase 52% dos votos da primeira eleição livre do Egito em sua história moderna, depois de uma disputa apertada com o último primeiro-ministro de Mubarak, Ahmed Shafiq.

A campanha polarizou profundamente o país, colocando uma autoridade do antigo regime e militar da reserva – temido por ser visto como uma continuação do governo autocrático de Mubarak, mas por outros como agente da estabilidade – contra o islamita.

Muitos apoiaram Morsi como um representante do levante que depôs o antigo regime e como uma forma de desafiar o Exército. Mas Morsi também foi igualmente visto com reservas por grupos jovens por trás do levante, que defenderam um Estado democrático secular, e entre muitos da minoria cristã do país. Quase metade dos eleitores não compareceu às urnas no fim de semana retrasado.

A vitória de Morsi, o primeiro presidente civil a assumir o controle do país, é uma conquista impressionante para a Irmandade Muçulmana, que permaneceu a maior parte de suas oito décadas de existência como uma organização obscura e alvo de sucessivos regimes.

Em seu discurso, Morsi prometeu que será um “presidente para todos os egípcios”, não fazendo distinções entre “muçulmanos e cristãos, homens e mulheres”, e assegurou que seu país manterá todos os acordos internacionais. “Digo a todos: serei o presidente de todos os egípcios. Ninguém será discriminado, e não se fará diferença entre as pessoas, a não ser em relação ao respeito à Constituição e à lei”, disse.

Agora, ele enfrenta uma dura luta por poder com a ainda dominante junta militar que assumiu o poder após a renúncia de Mubarak em 11 de fevereiro de 2011.

Poucos dias antes de um vencedor ser anunciado, os generais tomaram várias decisões para se conceder muitos poderes, diminuir a autoridade do presidente, incluindo a aprovação do Orçamento do Estado, e deram à polícia militar amplos poderes para deter os civis.

Os generais, que prometeram transferir o poder para um líder eleito até 1º de julho, dizem que as medidas tinham o objetivo de preencher um vácuo de poder e assegurar que ninguém monopolizasse o processo de tomada de decisões até que uma nova Constituição fosse elaborada.

Cristão irá fazer parte do novo governo do Egito
Fogos de artifício iluminam a Praça Tahrir, tomada por partidários de Morsi no Cairo . Foto: AP

Dois dias antes do segundo turno, uma alta corte egípcia dissolveu o primeiro Parlamento eleito livremente do país, dominado por islamitas, incluindo a Irmandade Muçulmana de Morsi. Isso fez com que o conselho militar também se encarregasse das tarefas do Legislativo.

Com o Parlamento dissolvido, ainda não está claro onde Morsi tomará posse. Autoridades disseram que ele poderia assumir a presidência perante a mais alta corte do país, mas seu grupo e partidários pressionam para que o Parlamento seja reinstalado, com o argumento de que a decisão judicial apenas contesta a eleição de um terço das cadeiras da câmara baixa.

O Conselho de Ministros, dirigido pelo primeiro-ministro egípcio, Kamal Ganzouri, terá nesta segunda sua última reunião antes de apresentar sua renúncia.

IG

Compartilhar
Recomendado para você

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here