Igrejas para homossexuais buscam fiéis em Feira da Diversidade LGBT

0
Igrejas para homossexuais buscam fiéis em Feira da Diversidade LGBT
Igrejas para homossexuais buscam fiéis em Feira da Diversidade LGBT

Igrejas voltada para o público homossexual, aproveitaram a 12ª Feira da Diversidade Cultural LGBT, no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, para conseguir angariar fieis. Ao menos quatro montaram suas barracas na Feira que ocorreu nesta quinta-feira, dia 7 de junho, e antecede a Parada Gay, no domingo.

As igrejas Comunidade Metropolitana, Cristã Evangelho Para Todos, a Comunidade Cidade de Refúgio e a Apostólica Nova Geração em Cristo têm em comum aceitar pessoas de todas as orientações sexuais.

“A gente tenta trazer os que estão afastados da igreja, que nos conhecem e voltam para Deus”, afirma o pastor José Alves, da Evangelho para Todos. Apenas 2% do público da igreja, localizada na Santa Cecília, é heterossexual.

A igreja ainda não é bem aceita por outros cultos evangélicos. Mas, segundo o pastor, a discussão é travada do ponto de vista teológico. “Jesus ama, não há preconceito.”

Levi de Souza, hoje integrante da Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM), afirma ter sido membro de outra igreja evangélica “convencional” até os 27 anos, quando se aceitou como gay. “Não passei pela exclusão direta, mas senti na pele o que é ser excluído”, afirma. Levi diz que a ICM acredita que Deus não faz acepção da pessoas. “A igreja prega inclusão.”

A Feira da Diversidade faz parte da programação LGBT na semana da Parada Gay. A ideia, segundo o organizador Leandro Rodrigues, é divulgar a cultura LGBT, que surgiu nos “anos de gueto”. Segundo ele, são esperadas 200 mil pessoas.

O “tiro ao go-go boy”, para derrubar um homem musculoso em uma piscina de bolinhas, foi uma das atrações mais disputadas. Shows de drag queens também lotaram o palco montado no vale. “O que eu mais gostei foi da diversidade das pessoas”, comenta Virginia Feller, 26, acompanhada de sua companheira.

Em meio às barracas, um grupo de punks e skinheads aproveitou a oportunidade para divulgar que não são intolerantes e aceitam todas as orientações sexuais.

Durante a tarde, a Secretaria de Saúde promoveu campanha de prevenção de DST/Aids, distribuindo camisinhas e panfletos.

Informações:jornalfloripa

Deixe uma resposta