Pastor convoca fiéis para “protesto” na Marcha para Jesus contra Parada gay

Pastor convoca fiéis para “protesto” na Marcha para Jesus contra Parada gay
Pastor convoca fiéis para “protesto” na Marcha para Jesus contra Parada gay

Na manhã desta quinta-feira (18), foi hasteada, pela primeira vez na história da cidade de Maringá, no Paraná, uma bandeira que representa o movimento LGBT.

Originalmente, seria hasteada em frente à Reitoria da Universidade Estadual de Maringá (UEM), mas Sônia Letícia, Procuradora Jurídica da universidade, não permitiu. Mesmo assim para o movimento gay na cidade esta é uma vitória. O evento que acabou ocorrendo no parque da cidade serviu para lembrar o dia internacional do combate a homofobia.

Já o presidente da Ordem dos Pastores de Maringá, Paulo Klingelfus pediu em seu perfil no Facebook para que os cristãos da cidade fizessem “uma guerra” contra a Parada LGBT de Maringá, programada para o próximo domingo (20).

Ele usou o versículo da Bíblia de Efésios 6:12, “Nossa luta não é contra carne nem sangue mas contra principados”. Também comentou “O versículo nos chama para uma guerra, não contra aos homossexuais, mas contra tudo o que está por traz deste movimento. Nós cristãos amamos os homossexuais, mas não podemos nos calar diante do pecado, a guerra está travada”.

O resultado de sua convocação poderá ser visto hoje, quando as igrejas de Maringá e região estarão promovendo a Marcha Para Jesus. O pastor enfatizou: “no dia seguinte o movimento gay estará realizando também em Maringá a sua passeata, o que para muitos possa até parecer normal, nos mostra o verdadeiro propósito, pois estão mobilizando caravanas de várias cidades do Brasil para que venham participar”.

Mas a repercussão foi bastante negativa na imprensa local e rapidamente reascendeu o debate sobre os evangélicos serem homofóbicos.

Luiz Modesto, um dos líderes da Parada Gay da cidade rebateu: “Os LGBT de Maringá não estão em guerra contra nenhuma igreja ou crença, só estão buscando a garantia dos direitos civis da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. A Constituição Federal já diz que somos todos iguais perante a lei, só estamos relembrando as autoridades desse artigo”.

Modesto enfatizou que a data da Parada LGBT de Maringá foi definida um mês antes da Marcha Para Jesus e que a data 20 de maio, marca o final da Semana Maringaense de Combate à Homofobia, prevista desde 2010 pela mesma lei que criou o Dia Municipal de Combate à Homofobia.

Esse não é o primeiro embate entre os gays e os cristãos na cidade. Quando decidiram usar a imagem da catedral local no pôster de divulgação, os organizadores atraíram críticas dos líderes católicos de Maringá.

Com informações TN Online / VIA GOSPEL Prime

COMPARTILHAR