Parlamentares evangélicos barram votação de projeto de “pensão gay”

0
Parlamentares evangélicos  barram votação de projeto de “pensão gay”
Parlamentares evangélicos barram votação de projeto de “pensão gay”

Os parlamentares católicos e evangélicos se juntaram a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e conseguiram derrubar a aprovação do projeto que criaria a Contribuição Social das Grandes Fortunas (CSGF) que seria destinado para a Saúde.

O boicote da reunião foi arquitetado para defender dois interesses: o da CNI de impedir a criação do imposto de grandes fortunas e dos religiosos que votariam sobre o projeto que cria direitos previdenciários para dependentes de homossexuais.

“Tinham duas matérias polêmicas na pauta (pensão para gays e taxação de grandes fortunas). No final, a articulação desses dois setores, que é regimental, deu certo e os dois lados saíram vitoriosos”, disse o advogado Paulo Fernando Melo, assessor das bancadas religiosas do Congresso.

Quando iniciou a votação os parlamentares do PSDB e do DEM foram os primeiros a deixarem o plenário. Se fosse votada e aprovada a CSGF destinaria R$14 bilhões por ano para a saúde.

Esse dinheiro seria arrecadado de 38 mil brasileiros que possuem patrimônio a partir de R$4 milhões sendo a última faixa acima de R$115 milhões.

Apenas R$10 bilhões viria de 600 pessoas que são as mais afortunadas do país, segundo diz o autor do projeto, o deputado Doutor Aluizio Júnior. Quem é contra essa proposta diz que a medida pode afastar os investidores do Brasil com medo dos impostos.

O projeto até chegou a ser votado, mas apenas 17 deputados estavam na sessão, deles 14 votaram a favor, entre eles a relatora do projeto a deputado Jandira Feghal (PCsoB-RJ), mas ao verificar o quórum eram precisos 19 votantes ao todo, mas os outros deputados foram saindo ao longo da sessão.

Entre os que abandonaram a votação estão os deputados evangélicos Pastor Eurico (PSB-PE) que até chegou a discursar sobre o projeto, mas saiu sem votar e o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) que saiu no início da votação.

Com informações Extra / via Gospel Prime

Deixe uma resposta